RSS

A arte de “nada fazer”

29 Abr

Quando foi a última vez que não fez nada?

relax

A vida dos dias de hoje é preenchida de stress, o trabalho, o estudo, as crianças, o trânsito, tantas tarefas e tão pouco tempo para as fazer!… Prazos apertados, responsabilidades múltiplas e muito pouco tempo para fazer algo essencial à vida: relaxar… parar… respirar…

Porque é importante não fazer nada?

Nem todo o stress é mau, aliás a resposta de stress é vantajosa levando à optimização do nosso nível de performance perante situações criticas como actividades desportivas, provas académicas, reuniões importantes e, claro, durante situações de perigo ou crise.

No entanto… Quando o stress se prolonga de uma forma crónica (portanto sem pausas para relaxar) o nosso corpo acaba por sofrer as consequências e o desgaste de estar a funcionar continuamente num elevado estado de activação… Imaginemos o nosso carro sempre a funcionar a 5000 rotações, não irá fazer muito bem ao motor, pois não!?

Estas são algumas das consequências do stress crónico:

  • Risco de aparecimento de doenças mentais como depressão, perturbações ansiosas, perturbações do sono, abuso de substâncias, tabaco e álcool;
  • Perturbações a nível da capacidade de memória, concentração e atenção;
  • Maior risco de doenças cardio-vasculares como hipertensão, acidentes vasculares cerebrais e enfarte do miocárdio;
  • Aumento da susceptibilidade a infecções;
  • Agravamento de doenças auto-imunes como asma, eczema, psoríase;
  • Maior risco de problemas gastro-intestinais como doenças inflamatórias intestinais, sindrome do colon irritável e mesmo úlceras pépticas;
  • Agravamento de perturbações alimentares podendo levar a excesso de peso e obesidade, tal como agravamento de doenças do comportamento alimentar como bulimia nervosa ou binge eating;
  • Exacerbação de diabetes ou maior dificuldade no seu controlo;
  • Aumento da sensação de dor, especialmente em que sofre de patologias osteo-articulares ou cefaleias (ex: enxaqueca, cefaleias de tensão);
  • Perda inexplicável de cabelo (Alopecia Areata);
  • Agravamento de patologias dentárias, incluindo problemas das gengivas que podem levar a queda de dentes.

Já começa a ficar mais clara a importância de “nada fazer”…

O stress é inevitável, mas se a pessoa funciona “perto do limite” não terá espaço para “encaixar” situações inesperadas e o corpo (e a mente) irão sofrer com isso. É muito importante criar tempo para relaxamento e para diversão, de modo a que o nosso organismo consiga restabelecer-se para enfrentar os desafios futuros. Ficam aqui algumas ideias para este efeito:

  • Vá dar um passeio;
  • Passe algum tempo na natureza, admire a beleza, os sons, as cores;
  • Tome um banho prolongado;
  • Sente-se a apreciar uma chávena de café ou de chá;
  • Receba uma massagem;
  • Escreva no seu diário;
  • Deixe-se levar pelas páginas de um livro;
  • Sente-se no sofá a ouvir a sua música favorita;
  • Faça jardinagem;
  • Tenha uma longa conversa “sobre tudo e sobre nada” com um amigo;
  • Namore;
  • Brinque com os seus filhos;
  • Ria.

Tomar conta de nós mesmos é uma necessidade, não um luxo.

Vá… está na hora de desligar o computador, o telefone, o tablet, a televisão, o rádio e… Entrar em modo “não estou a fazer nada”.

Até à próxima,

DG 2013

Anúncios
 

Etiquetas: ,

4 responses to “A arte de “nada fazer”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: