RSS

Recuperado e de volta!

Após 6 vagas de covid, lá apanhei o bicho 🦠🤒. Felizmente, parece que as vacinas funcionam bastante bem e apenas tive sintomas ligeiros, estando no bom caminho para uma recuperação total 😀.

Cumprir a semana de isolamento foi algo desafiante, com miúdos em casa, uns positivos, outros negativos… mas lá se foi gerindo e estamos todos bem.

❗️Mas, de qualquer modo, aconselho todos a protegerem-se deste vírus pois, por vezes, isto não corre assim tão bem. ❗️

Esta paragem forçada no trabalho até teve alguns pontos positivos: li, estudei, escrevi, vi uns bons filmes, recuperei horas de sono e fui gerindo algumas situações dos meus doentes através dos meios digitais (teleconsultas, email, prescrições on-line), que tanto facilitam a vida nos dias de hoje (ainda sou do tempo em que os médicos prescreviam receitas à mão, com vinhetas e carimbos e claro… com letra ilegível que só os farmacêuticos percebiam) 👨‍⚕️😅.

Regresso esta quinta às consultas presenciais.

Até breve, abraços e Obrigado pelos desejos de melhoras. 🙏

Diogo Guerreiro

 

Etiquetas: , , ,

Qualquer dia teria que ser…

O bicho da moda, há mais de 2 anos, conseguiu apanhar-me. 😔🦠

Irei ficar uma semana em isolamento e, por isso, lá se vão desorganizar as minhas agendas. 😬

Peço, desde já, desculpa pelo inconveniente aos meus pacientes (talvez seja possível gerir algo via teleconsulta, mas, pelo menos até quinta vou ficar “de molho”🤒).

As melhoras para mim, vou cuidar de me recompor rápido 💪🙏.

Abraços a todos.

Diogo Guerreiro

 

Etiquetas: , ,

A depressão tem “muitas caras”

Por vezes é fácil perceber que alguém está deprimido pela sua face, expressões ou postura. 😔🥺

Mas, nem sempre! Muitas pessoas que sofrem de depressão aprenderam a “disfarçar” e tantos utilizam “máscaras” para fingir que “está tudo bem”. 🙂🤨

⚠️ Ora, isto é apenas uma nota para não caírem na tentação de dizer a alguém, que vos diz estar a passar por um mau bocado, algo do género: “Mas tu pareces ótimo… não deve ser assim tão grave…”.

⚠️ Mas também para quem coloca “estas máscaras” eu deixo um conselho: se possível não o façam! Eu percebo as razões que motivam a fazer isto, mas o gasto de energia que é preciso para alguém deprimido por uma cara feliz e/ou agir como se não fosse nada é brutal! E toda a energia que sobra quando se está em baixo, que não é muita, deve ser dirigida para a sua própria recuperação e autocuidado. Baixar a máscara até pode ser útil para as pessoas próximas: para que percebam e possam ajudar.

Um abraço a todos.

Diogo Guerreiro

 

Etiquetas: , , ,

É tão bom ver o livro que escrevi a fazer o seu caminho…

De vez em quando ele encontra-se comigo, ou eu com ele, numa livraria, numa conversa, num paciente que me pede para o assinar. São momentos em que sinto imensa gratidão por ter tido esta oportunidade e pela recepção tão positiva que tem tido.

É cada vez mais importante que se fale abertamente sobre saúde mental, sobre as alturas em que não está tudo bem, em como podemos prevenir ficar doentes e como ser ajudados de forma eficaz. Acho que este livro é um pequeno contributo para esta abertura, para a discussão aberta de saúde e doença mental e para a quebra de estigmas e preconceitos.

👉 Se já leram, enviem as vossas opiniões, digam se foi útil. Nestas coisas dos livros nacionais é muito importante (e difícil) a divulgação, por isso fico-vos grato se o avaliarem nas plataformas dos livreiros (wook, Fnac, Bertrand, etc.) ou no Goodreads.

Conto convosco para chegar à 3a edição e estarmos todos cada vez mais à vontade e atentos para estes temas. Porque isto da depressão e ansiedade não são situações raras, pelo contrário!

Não há saúde sem saúde mental. 🧠💪

Abraços 🙏

Diogo Guerreiro

📖 “E quando não está tudo bem? Como (re)conhecer e agir na ansiedade e na depressão”, publicado em Dezembro de 2021 pela Ego Editora. Com prefácio do Professor Daniel Sampaio e ilustrações do Luís Santos.

 

Etiquetas: , , , , ,

Para ser grande, sê inteiro

Para ser grande, sê inteiro: nada

        Teu exagera ou exclui.

Sê todo em cada coisa. Põe quanto és

        No mínimo que fazes.

Assim em cada lago a lua toda

Brilha, porque alta vive.

14-2-1933, Ricardo Reis/ Fernando Pessoa

 

Etiquetas:

Ser encontrado e encontrar-se

Gosto tanto desta frase do psicanalista britânico Donald Winnicott (1896-1971):

Para Winnicott, cada ser humano tem um potencial inato para crescer de forma saudável, ter maturidade emocional e capacidade de integração. No entanto, o facto desta tendência ser inata não garante que isto aconteça de facto. Isto dependerá de um ambiente facilitador que forneça os cuidados e atenção que cada um precisa. Estes cuidados dependem da necessidade de cada criança, pois cada ser humano responde ao ambiente de forma individual, apresentando, a cada momento, condições, potencialidades e dificuldades diferentes.

E cabe a cada pai, mãe ou cuidador, saber encontrar estas necessidades, pelo menos de forma suficientemente boa (pois perfeitamente, sem erros, não é possível).

Também nos cabe a nós, como adultos, sermos suficientemente bons para nós próprios.

Tão atual. 🧠💪❤️

Abraços
Diogo Guerreiro

 

Etiquetas: , , ,

Livro: “Gente ansiosa”

Acabei, recentemente, este livro 📖. Não conhecia o autor, Fredrik Backman, mas fiquei com vontade de ler os seus outros romances.

“Gente ansiosa” é uma história altamente criativa, com personagens incríveis e cheia de momentos surreais. É sobre assaltos a bancos, reféns, ansiedades, fogos de artifício e, claro, idiotas.

Fala também de coincidências e de como perfeitos desconhecidos podem ter tanto em comum.

Aconselho vivamente esta leitura, de que vos deixo um excerto que gostei particularmente:

“Talvez nos tenhamos cruzado hoje, com pressa no meio da multidão, sem darmos por isso, e as fibras do seu casaco roçaram no meu por um instante fugaz, e seguimos caminho. Eu não sei quem você é. Mas quando chegar a casa mais logo, quando o dia terminar e a noite se instalar, pare e respire fundo. Porque nós também chegámos ao fim deste dia. E amanhã haverá outro.”

Abraços e boas leituras 😉

Diogo Guerreiro.

 

Etiquetas: ,

Há 9 anos criei o blog “Reflexões de um psiquiatra”

Entretanto muita coisa aconteceu… como não? Passou quase uma década!

Expandi-o para uma página de Facebook, posteriormente para o Instagram e, mais recentemente, publiquei um livro, intitulado “E quando não está tudo bem?” (em que muitas das ideias foram testadas neste espaço).

Já visitam a página mais de 250 mil pessoas! Acumularam-se quase 200 textos e muitos mais posts nas redes.

A este propósito gostava de partilhar convosco partes de um texto que escrevi, no começo desta aventura, e que explica a minha motivação para investir neste projeto. 

Só me posso sentir grato pela aceitação e por estarem aí desse lado. 🙏

Abraços 

Diogo Guerreiro

Abril 2022

“Afinal como surgiu a ideia de criar um blogue?

O Reflexões de um Psiquiatra nasceu da minha vontade de partilhar e comunicar ideias e pensamentos. A Psiquiatria e a Saúde Mental são áreas onde os preconceitos e as concepções erróneas dominam a sociedade; e consequentemente também a internet ou a blogosfera. Com este blogue quis criar um espaço não só de partilha, mas também de discussão e de desmistificação de alguns destes temas. Mas, concomitantemente, queria também que fosse um espaço muito pessoal, em que os temas da Saúde Mental se misturassem com livros, com cinema, com música, com reflexões minhas sobre o quotidiano e sobre a sociedade. Sobretudo é um projeto que “dá gozo”, que pretende “descomplicar” temas complexos e tratar com humor a assuntos difíceis e pouco falados.

E qual o objectivo?

Vários… O principal é, sem dúvida, criar um espaço de divulgação (e discussão) sobre assuntos relacionados com a prática da Psiquiatria e sobre a Saúde Mental. Espero também que contribua para a luta contra a estigmatização das pessoas que sofrem de doenças mentais. Por outro lado é também um espaço em que gosto de escrever sobre assuntos que parecem ser pouco importantes, (por exemplo: as férias, os momentos de lazer, o sono, etc.) mas que têm influência no dia a dia de todas as pessoas.

Finalmente, um objetivo muito importante, é que esta página mantenha a sua assinatura muito pessoal, afinal é a minha forma subjetiva de ver o quotidiano, por acaso (ou não) sou Psiquiatra de formação e isso influencia inevitavelmente todos os artigos, mas não deixa de ser sobretudo um espaço pessoal, onde partilho algumas das minhas experiência e observações do meu dia a dia.

Não posso deixar nesta fase de referir que este blogue não pretende de forma alguma substituir-se a consultas. Existe aliás um termo de responsabilidade que refere exatamente isto (e que aconselho a leitura aos visitantes de primeira vez).”

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 28 de Abril de 2022 em Sem categoria

 

Absurdos do século XXI

Estou totalmente de acordo, cada guerra é um absurdo.

DG 2022

 

Etiquetas: ,

A importância do chão

Por vezes não sentimos, mas estamos sempre a ser empurrados para baixo.

Seja a escalar uma montanha, a deslizar num skate, a subir no elevador…. estamos sempre a ser empurrados para baixo.

Os cientistas chamam a isto a lei da gravidade. “Do ponto de vista cosmológico, a gravidade faz com que a matéria dispersa se aglutine, e que essa matéria aglutinada se mantenha intacta”, diz-me a Wikipédia.

Talvez daí o chão seja por onde se inicia a construção de uma casa, nas fundações, nos alicerces. Afinal, queremos que a nossa casa permaneça intacta e sólida.

Acho que ao nosso ser as leis de Newton também se aplicam. O quotidiano pesa-nos, o crescimento pesa, uma discussão parece impelir-nos para as profundezas da terra.

Penso muito nisto do chão, sobre a segurança (ou insegurança) a ele inerente. Mas o que é o “chão” do nosso “ser”?

Aqui as coisas complicam-se.

Será a segurança de saber que temos valor próprio? Será o saber que com a nossa força, com o nosso corpo, podemos desafiar a gravidade? Será o saber que somos amados?…

O chão é abstrato ou algo concreto? Poderemos mensurar se estamos a pisar um terreno sólido ou a cair em areias movediças?

À procura da segurança se descobrem muitas das nossas inseguranças. Talvez o chão seja simplesmente o chão, afinal, nunca se ouviu falar de alguém que tenha sido absorvido para o centro da terra porque, magicamente, tenha desaparecido um pedaço da crosta terrestre.

Há pessoas que têm sonhos recorrentes em que se sentem a cair, numa queda sem fim. Provavelmente, representando a sua própria insegurança em relação a si mesmos.

Como encontrar a tranquilidade de saber que pisamos terreno sólido? Se calhar não faz sentido a questão em si. Ou talvez a resposta seja: o chão varia, o nosso ser varia, os contextos variam. Mas não iremos, com certeza, ser absorvidos pelo vácuo.

Poderá ser que a tranquilidade e a segurança advenham de aceitar as coisas como são. Afinal a “matéria aglutinada mantém-se intacta”.

Se não pensarmos na gravidade não a sentimos. E o peso dissipa-se, o chão fica mais sólido… talvez sempre o tenha sido.

Diogo Guerreiro

 

Etiquetas: , ,

 
%d bloggers like this: