RSS

Há semanas assim…

19 Jan

angry_birds_psychiatrist_caEsta última semana foi particularmente gratificante para mim em termos de prática clínica. Foi daquelas em que parecia que tudo corria bem, em que as soluções superavam as complicações. A maioria dos pacientes que consultei estavam óptimos, uma grande parte já em fases avançadas do processo terapêutico, muitos em fase de redução dos medicamentos, alguns a perspetivar a alta e vários que deram a volta a enormes problemas que enfrentavam.

Acompanhar as pessoas ao longo do tempo, ver a sua evolução, observar como lidam com as adversidades, como optimizam as suas potencialidades… é de facto algo único no meu trabalho. Sentir que a minha intervenção os ajudou, que quer as “conversas” (ou o trabalho psicoterapêutico) quer os medicamentos permitiram e contribuíram para estes resultados, é algo de extremamente gratificante e motivador… Penso que seja assim com a maioria dos médicos, que a sensação de fazer a diferença na vida da pessoa seja algo de extraordinário e, sem dúvida, o maior privilégio desta profissão.

Em conversa com um doente abordámos esta questão, é interessante ver que a relação entre o médico e o doente é algo de bidirecional, que tanto como nós médicos influenciamos de alguma maneira a vida do paciente, também este nos influencia. Como uma semana destas, por exemplo, dá energia e motiva para fazer “o meu melhor”, para me esforçar cada vez mais, para me atualizar e para aguentar aquelas semanas “menos boas”, em que parece que tudo corre mal e em que surge aquela eterna dúvida: “mas o que é que eu ando aqui a fazer?”. E isto para não falar das questões de aprendizagem, de uma forma mais clássica a questão da experiência (quanto mais doentes e situações clínicas diferentes observar, mais facilidade existe nos vários níveis de diagnóstico e intervenção) mas, de uma forma mais subjetiva, posso dizer que me farto de aprender com os meus pacientes.

E por isso não posso deixar de me sentir agradecido por este privilégio, que é o contacto humano com todas estas pessoas que já segui, que sigo atualmente e que no futuro irão partilhar comigo uma parte do seu caminho.

Por outro lado, muito me preocupam as notícias atuais. Ouço falar de limites de tempo de 10 minutos em consultas, de mortes nos serviços de urgência pois não há pessoal de saúde suficiente, da emigração de centenas de colegas meus, de situações de agressão nos centros de saúde. Como é possível esta desumanização do ato médico? Como se espera que nestes contextos se crie esta relação bidirecional que, a meu ver, é o essencial para que se consiga bons resultados (tanto para os pacientes como para os médicos)? Bom mas não me quero estender demasiado nestes assuntos mais negros… Tenho esperança que as coisas melhorem, que haja juízo e bom senso por parte “de quem manda nisto” e que tantos os doentes como os médicos se juntem na defesa de cuidados médicos humanizados (ao contrário de baseados exclusivamente em números).

Deste estado de boa disposição, partilho com vocês uma música que me deixa sempre bem disposto.

A todos um bem aja.

Abraços

DG 2015

Anúncios
 

Etiquetas: , ,

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: