RSS

Arquivo de etiquetas: Reflexões gerais

Back to work…

Estes 5 dias de férias foram óptimos, mas tal como os bons momentos devem ser, souberam a pouco e parece que passaram num instante.

Vale a pena ler este artigo (em inglês) que fala destas acelerações e desacelerações da nossa percepção do tempo: “Why Time Slows Down When We’re Afraid, Speeds Up as We Age, and Gets Warped on Vacation.

Bassin d'Arcachon

Iniciámos a nossa época balnear, numa bonita paisagem, que inclui a maior duna da Europa! Numa pequena aldeia francesa de veraneio, onde a época ainda não tinha começado (as férias escolares franceses são só para a semana), o ideal para relaxar, deixando nem que seja por um pouco o “frenesim do dia a dia” e para preparar as semanas intensas que tenho pela frente… Começando já amanhã e Sábado com o Simpósio da SPS e seguindo-se uma época prevista de muito estudo, reflexão e preparativos para a defesa da minha tese de doutoramento, que é já no final deste mês!

Nestas épocas é mesmo essencial gerir os níveis de stress, treinando a “arte de nada fazer“, senão lá começa o monstro da ansiedade a atacar… e isso não pode ser!

A todos desejo umas óptimas férias (se for o caso) e uma boa Páscoa!

Abraços

DG 2014

 

Etiquetas: ,

Já fez exercício (cerebral) hoje?

Cérebro exercício O nosso cérebro não é um músculo… mas, surpresa das surpresas, também precisa de ser exercitado (tal como um músculo)!

É através do cérebro que tudo se passa: o que sentimos; como nos movimentamos; como interagimos com o que nos rodeia; o que pensamos; como amamos; como nos relacionamos com os outros; etc, etc, etc.

Sendo um órgão de tanta importância, “o general do nosso corpo“, parece-me evidente que temos de cuidar bem dele! Sabemos, hoje em dia, que durante toda a nossa vida (da infância à velhice), o cérebro humano é capaz de se adaptar, de criar novas conexões e mesmo promover o crescimento de novos neurónios. Vejam este post a propósito: O cérebro em movimento”. Mas somente se for estimulado! Ou seja é “usar ou perder”.

Aqui fica uma lista de 10 exercícios para o cérebro, que promovem a sua estimulação e por isso o seu melhor funcionamento, prevenindo o declínio cognitivo:

  1. Falar com pessoas – discuta política, futebol, religião, filosofia… tanto faz, utilizar a argumentação é um óptimo exercício para o cérebro.
  2. Ler – revistas, livros, banda desenhada… Tanto quanto conseguir. Tal como no exercício físico comece devagar e vá progredindo para desafios maiores.
  3. Desligar a televisão – ver televisão em demasia, é basicamente andar com o “autopiloto” ligado, não obriga a pensar muito, é uma espécie de estagnação cerebral. No entanto, é possível utilizar a TV como exercício para o cérebro. Veja programas mais educativos, séries que obriguem a memorizar episódios anteriores, enredos complexos que o forcem a analisar e a pensar nas personagens e histórias.
  4. Fazer puzzles, sudoku, palavras cruzadas – isto é o correspondente a levantar pesos no ginásio!
  5. Ouvir música – a investigação mostra que a música ajuda na aprendizagem, na formação de memórias, no controlo de estados de ansiedade e mesmo na organização do conhecimento. Vejam este post: “A música e o cérebro“.
  6. Dormir bem – é das coisas mais importantes para um cérebro saudável. Podem ver aqui: “a importância de uma boa noite de sono“.
  7. Fazer exercício físico –  “Mente sã em corpo são”. Demonstrou-se que o exercício físico, independentemente da idade em que se começa, melhora a circulação sanguínea cerebral e permite, por isso, potenciar algumas funções como a memória e outras capacidades cognitivas. Vejam aqui uma investigação que comprova isso mesmo.
  8. Aprender algo novo – aprender a tocar um instrumento, aprender um novo desporto ou hobby, todos estes desafios são importantes e ajudam a manter o cérebro são.
  9. Relaxar – o cérebro, tal como o corpo, também precisa de momentos mais calmos. Em que reduza a sua carga de trabalho. Saiba porque isto é importante em: “A arte de nada fazer“.
  10. Exercer a curiosidade – descubra coisas novas, pesquise um tema na internet ou em livros, esteja atento a pequenos detalhes do dia a dia.

Bom treino!

Abraços

Diogo Guerreiro 2014

 

 

Etiquetas: , , ,

Como surgiu a ideia de criar um blogue?

Pois é, o “Reflexões de um Psiquiatra” está quase a fazer um ano de existência. Para ser mais exacto, começou no dia 15 de Abril de 2013, com este post: “O pensamento é livre”. Desde essa altura cresceu para 81 artigos, deu origem a uma página de facebook, é seguido por mais de 4000 pessoas e já teve mais de 21.000 visualizações. Muito obrigado a todos!

Imagem "roubada" do blogue "E os filhos dos outros". Uma ousadia! :)

Imagem “roubada” do blogue “E os filhos dos outros”. Uma ousadia… 🙂

Esta semana, foi destacado na revista Prevenir, num artigo sobre blogues de médicos (“que tem mesmo que seguir”), juntamente com outros 5 que foram compilados num artigo do blog “E os filhos dos outros” (do Dr. João Moreira Pinto), algo que agradeço. Não deixem de espreitar cada um deles, parecem ser muito interessantes!

Definitivamente este é mesmo o momento certo para uma reflexão acerca da origem deste blogue… no fundo uma “introspecção virtual”!

Afinal como surgiu a ideia de criar um blogue?

O Reflexões de um Psiquiatra nasceu da minha vontade de partilhar e comunicar ideias e pensamentos. A Psiquiatria e a Saúde Mental são áreas onde os preconceitos e as concepções erróneas dominam a sociedade; e consequentemente também a internet ou a blogosfera. Com este blogue quis criar um espaço não só de partilha, mas também de discussão e de desmistificação de alguns destes temas. Mas, concomitantemente, queria também que fosse um espaço muito pessoal, em que os temas da Saúde Mental se misturassem com livros, com cinema, com música, com reflexões minhas sobre o quotidiano e sobre a sociedade. Sobretudo é um projeto que “dá gozo”, que pretende “descomplicar” temas complexos e tratar com humor a assuntos difíceis e pouco falados.

E qual o objectivo?

Vários… O principal é, sem dúvida, criar um espaço de divulgação (e discussão) sobre assuntos relacionados com a prática da Psiquiatria e sobre a Saúde Mental. Espero também que contribua para a luta contra a estigmatização das pessoas que sofrem de doenças mentais. Por outro lado é também um espaço em que gosto de escrever sobre assuntos que parecem ser pouco importantes, (por exemplo: as férias, os momentos de lazer, o sono, etc.) mas que têm influência no dia a dia de todas as pessoas.

Finalmente, um objetivo muito importante, é que esta página mantenha a sua assinatura muito pessoal, afinal é a minha forma subjetiva de ver o quotidiano, por acaso (ou não) sou Psiquiatra de formação e isso influencia inevitavelmente todos os artigos, mas não deixa de ser sobretudo um espaço pessoal, onde partilho algumas das minhas experiência e observações do meu dia a dia.

Não posso deixar nesta fase de referir que este blogue não pretende de forma alguma substituir-se a consultas. Existe aliás um termo de responsabilidade que refere exatamente isto (e que aconselho a leitura aos visitantes de primeira vez).

Keep Calm and Love PsychiatryE o futuro?

Vamos a ele! Conto convosco.

 

Abraços e obrigado a todos!

Diogo Guerreiro

 

 
1 Comentário

Publicado por em 25 de Março de 2014 em Reflexão geral

 

Etiquetas: , ,

Um feliz dia do pai

Ser Pai é delicioso. É algo que enche o coração, que dá força nos momentos mais complicados, que motiva, que desafia… que puxa pela sinceridade, que quebra barreiras… que muda a perspectiva do que “andamos cá a fazer”.

"brincar aos aviões"

“brincar aos aviões”

Hoje o meu dia começou com abraços e beijinhos dos meus dois filhotes, continuou na escolinha com um amoroso café da manhã e jogos com os pequenos no recreio… Recebi o meu “retrato”, visto pelo meu mais pequeno (de 4 anos)… Na legenda, uma coisa que gosto de fazer com o meu pai: “brincar aos aviões”.

Aproveitei a imagem de um livro muito engraçado, “Pê de Pai“, da autoria de Isabel Minhós Martins e Bernardo Carvalho (editora Planeta Tangerina), que é a imagem precisa do “brincar aos aviões”.

Um bom dia do Pai, para todos os pais e todos os filhos! Brinquem muito e mimem-se também muito!

E não me venham com histórias que “mimos a mais fazem mal”…  que raio de ideia.

Abraços

DG 2014

 

Etiquetas: ,

Como os cavalos podem ajudar na saúde mental?

Hoje foi dia de conhecer e de experienciar algo novo: Terapia Equina Relacional.

Terapia equina

A Terapeuta Alexandra Santana, do projecto “Quatro Patas e Uma Crina“, desafiou-me para conhecer as actividades que está a desenvolver no Centro Hípico da Costa do Estoril. Aceitei com muito agrado o convite e lá estive hoje à conversa e, claro, a experimentar na primeira pessoa a forma como estes fantásticos animais se relacionam e espelham as nossas emoções.

O seguinte texto foi retirado do blog Quatro Patas e Uma Crina e dá algumas luzes sobre o assunto:

A Terapia Assistida por Equinos  associa-se a um trabalho feito maioritariamente no chão, ou seja, sem que haja necessidade de montar o cavalo. Nestes casos as atividades são realizadas tendo o cavalo como companheiro de “jogo” e são todas de caráter relacional. Dificil? Nem por isso. Montam-se atividades, todas elas situações problema para as quais o cliente deve encontrar resposta e responder à atividade tendo o cavalo como seu parceiro de jogo. Sim, os cavalos também jogam e tomam um papel ativo na sessão! Os clientes são de facto levados a convencer os cavalos a fazerm as atividades consigo. Esta abordagem tem uma grande ênfase relacional além de todos os resultados positivos inerentes às abordagens terapêuticas de caráter experiencial onde o cliente toma um papel iminentemente ativo e parte à descoberta de si mesmo num contexto dinâmico e desafiante.  Desafiam-se emoções e comportamentos. Desafiam-se estilos de pensar e formas de agir. Partilham-se histórias e aprendizagens de vida através de atividades simbólicas, atividades-metáfora.Trabalham-se competências académicas, relacionais, sociais e pessoais num contexto de permanente e dinâmica interação. Tudo através da linguagem corporal. O corpo torna-se de facto no mais poderoso instrumento de comunicação e aprendizagem. Neste caso a partida à descoberta é feita ao mesmo tempo que se conquista um cavalo para ser nosso companheiro nas atividades. A auto descoberta acontece com e através do outro…

Falámos de como este projecto pretende fazer algo de diferente e inovador no campo da saúde mental em Portugal. Do seu potencial de intervenção em áreas tão diversas como a afectividade, a comunicação, a regulação emocional ou mesmo a organização do pensamento e dos comportamentos… Desde a criança ao adulto.

Depois desta conversa sobre as bases teóricas, ainda houve tempo para estar no picadeiro… Foi incrível verificar como os cavalos respondem ao nosso estado emocional e mesmo à nossa assertividade, enquanto “brincamos”, comunicamos e nos relacionamos com eles. 

Sem dúvida um projecto a seguir e que merece os parabéns!

Para conhecerem mais:

E obrigado pelo convite!!

Abraços

DG 2014

 

Etiquetas: ,

Imagem

O que NÃO fazer este fim-de-semana:

Não há nada interessante para ver

 
 

Etiquetas: ,

Imagem

Você toma alguma coisa para ser Feliz!?

Toma alguma coisa para ser feliz?

 

Etiquetas: , ,

Imagem

Para pensar…

"Eu vo-lo digo: é preciso ter um caos dentro de si para dar à luz uma estrela cintilante."  Assim falou Zaratustra - Nietzsche

“Eu vo-lo digo: é preciso ter um caos dentro de si para dar à luz uma estrela cintilante.”
Assim falou Zaratustra – Nietzsche

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 21 de Janeiro de 2014 em Reflexão geral

 

Etiquetas:

Imagem

O não problema de ser diferente

Ser diferente

Ser diferente, estranho, esquisito, fora do normal…

Palavras habitualmente carregadas de preconceito e de receio; (muito) erroneamente associadas a doenças mentais.

Ser-se diferente é ser-se sincero consigo mesmo.

Um abraço e sorriam!

DG 2014

 

Etiquetas: , ,

Blog… não fiques assim…

blog sozinho

Caro Blog (e excelentíssimos leitores do mesmo),

Bem sei… há muito tempo que não escrevo nada. Mas não há motivos para preocupação, o blog não está esquecido e esta paixão pela escrita continua bem viva. No entanto, tal como diz o Miguel Esteves Cardoso “Quanto mais precisas para viver, mais tens de trabalhar e menos tempo tens para ti. O maior dos luxos é o tempo. O tempo é o meu maior património“, parece ser também o meu caso…

Mas esta ausência tem sido por uma boa causa. Até ao final desta semana vou (finalmente) entregar a minha tese de Doutoramento, na Faculdade de Medicina de Lisboa. E entre consultas, escrita científica, formatação de texto, tabelas e festas de Natal (das crianças e das crianças grandes) tenho-me esquecido de ti!

Por outro lado a tua página no facebook (www.facebook.com/ReflexoesDeUmPsiquiatra) tem tido bastante movimento e têm acontecido algumas discussões bastante interessantes.

Dito isto, não fiques amuado… Está prometido que a partir de agora não te vou deixar tanto tempo abandonado.

Até breve.

DG 

 
1 Comentário

Publicado por em 17 de Dezembro de 2013 em Reflexão geral

 

Etiquetas: , ,

 
%d bloggers like this: