RSS

Natal: é o que é.

É habitual existir a expectativa que a época natalícia é, por si, uma altura feliz. Afinal é uma altura de celebração, de recomeços, de proximidade com as pessoas de quem gostamos. Mas, isto não corre sempre de acordo com o esperado. Sentir-se mais deprimido (ou ansioso) no Natal é algo, efetivamente, frequente. 

Existem várias razões pelas quais isto pode acontecer, todo o rebuliço e stress desta altura, as mensagens constantes de felicidade (no matter what), o suposto reaproximar de amigos e familiares, podem colocar pressão acrescida em pessoas que estão em estado de fragilidade. Ou porque se sentem estranhos por “estar toda a gente feliz e eu não”, ou porque a angústia ou solidão que sentem é ainda mais vincada nesta fase… Isto pode acontecer apesar de não estarem nestes momentos sozinhos, muitas vezes sentir-se só na presença dos outros é uma experiência terrível. 

Não nos podemos esquecer que os lutos, as separações ou as perdas não respeitam datas festivas. Tal como quando se está a sofrer de uma depressão ou de outra perturbação mental, é mesmo difícil sentir-se “feliz como é suposto”. 

Quando se está deprimido ou ansioso é difícil aproveitar as ocasiões festivas. Não é possível forçar-se alguém (nem a si mesmo) a “estar bem”. 

Algumas coisas podem ajudar: 

  • Manter o autocuidado, tomando bem conta da sua saúde física e mental.  
  • Aceitar que as coisas são como são. Se este ano não se sente assim tão bem, não faz mal. 
  • Tente combater a solidão. Prefira a companhia de pessoas com quem se possa sentir à vontade, que saibam o que está a passar e com que pode partilhar este momento sem que se force a colocar a “máscara de está tudo ótimo”. 
  • O álcool é um depressor, não se esqueça disso e consuma-o com moderação. 
  • Luz solar, desporto, meditação, são estratégias que podem ajudar. Que tal um passeio na natureza nesta época festiva?
  • Liberte-se de expectativas, de procurar ter tudo perfeito ou de agradar a toda a gente. 
  • Dê a si mesmo uma prenda de natal. Uma coisa ou uma atividade que seja algo que goste realmente. 

Aproveito para desejar umas boas festas e uma serena entrada em 2022 a todos os seguidores deste blog. 

Um abraço e até breve. 

Diogo Guerreiro 

2021

 

Etiquetas: , , ,

Numa livraria perto de si.

É uma experiência curiosa, quando encontramos o livro que escrevemos numa livraria.

E ali estão vários meses de estudo, investigação e escrita… decisões, paginações, designs, revisões, edições. Tanto trabalho e dedicação que se compactam num pequeno objeto, pronto para ser folheado por qualquer transeunte destas lojas e, quem sabe, embrulhado em papel de natal.

Será que essa pessoa irá achar interessante? Será que vai gostar? Será útil? Irá compreender a mensagem que tento passar?… São estas as perguntas que me vão surgindo e que, imagino, sejam as comuns a todos os autores de livros.


Para já ainda é cedo, ainda poucas pessoas leram o meu livro. Mas estou muito interessado em saber as vossas opiniões. Digam-me se gostaram e se sentiram que foi útil.

Abraços

Diogo Guerreiro 2021

 

Etiquetas: , , ,

Sessão de lançamento do livro “E quando não está tudo bem?”

Divulgo a sessão de lançamento do meu livro “E quando não está tudo bem?”.

Data: 15 de Dezembro
Horário: 18:30
Local: Livraria Ler Devagar, Lisboa.

A apresentação contará com a presença do Professor Daniel Sampaio e do ilustrador Luís Santos.

Conto convosco. 😊

Abraços

Diogo Guerreiro

 

Etiquetas: , ,

Filme: A metamorfose dos pássaros

Fui ontem ver o filme “A metamorfose dos pássaros”, realizado por Catarina Vasconcelos – candidato português ao óscar de melhor filme estrangeiro. É um filme muito diferente do habitual, com uma abordagem em que mais me parecia estar a ler poesia.

É-me difícil descrever como este filme me tocou. Esteticamente é uma obra de elevada originalidade e delicadeza, que nos toca muito para além daquilo que os olhos observam. A sua riqueza simbólica, assim como a aposta na metáfora como forma de comunicação, coloca o espectador num contacto constante com a sua mente emocional, moldando o que se passa no ecrã às suas próprias vivências. A mim fez-me lembrar os meus avós e percorrer alguns dos locais da minha infância. Acredito que a cada um evoque sensações e lembranças diferentes.

Muito do trabalho em psiquiatra e psicoterapia é aceder a esta parte emocional, assim como perceber as narrativas no modo único que cada pessoa as sente. Mesmo que isto tenha pouco a ver com o que objetivamente se passou. Muitas vezes lidamos com a perda e com os processos de luto que daí decorrem. E muitas vezes é difícil criar um sentido de algo que parece tão pouco racional. Nestes casos, algo essencial é deixar as emoções emergirem, algo que evitamos frequentemente no nosso dia-a-dia… por vezes é preciso inventar para superar, tal como a mensagem principal do filme “Aquilo que o ser humano não consegue explicar, inventa”.

Recomendo muito este filme! Se ainda o apanharem no cinema não percam a oportunidade.

Abraços

DG 2021

 

Etiquetas: ,

Livro: E quando não está tudo bem?

É com imenso prazer que divulgo o lançamento do livro que escrevi, intitulado: “E quando não está tudo bem?Como (re)conhecer e agir na ansiedade e na depressão”.

Foi um desafio que me deu muita satisfação (e trabalho também) e que espero que vos desperte o interesse. Lançado pela Ego Editora (a quem agradeço a confiança), contando com as ilustrações de Luís Santos (um grande amigo) e com o prefácio do Professor Daniel Sampaio (uma das minhas grandes referências).

Uma das mensagens principais do livro é esta: É possível ficar bem, mesmo quando se passa por uma fase em que “não está tudo bem”.

Deixo-vos o índice, para ficarem com ideia do “esqueleto” do livro:

Prefácio – “Escuridão visível”
1. “E quando não está tudo bem?” – uma introdução
2. Saúde mental e bem-estar
2.1. Porque é tão difícil falar sobre saúde e doença mental?
2.2. Mente sã em corpo são
3. E quando ficamos ansiosos? – a ansiedade 
3.1. “Não consigo respirar!” – a Perturbação do Pânico
3.2. “Perto disso, nem pensar!” – as Fobias Específicas
3.3. “O que é que vão pensar sobre mim?” – a Fobia Social
3.4. “Estou sempre nervoso.” – a Perturbação de Ansiedade Generalizada
3.5. “Não consigo evitar…” – a Perturbação Obsessivo-Compulsiva
3.6. “Fui ao Inferno… e ainda não voltei.” – a Perturbação Pós-Stress Traumático
4. E quando ficamos deprimidos? – a depressão
4.1. “Será só tristeza?” – a Depressão Major
4.2. “Aos altos e baixos.” – a Doença Bipolar
5. Prevenir a doença mental
6. Tratar a doença mental
6.1. Como se tratam as Perturbações de Ansiedade e a Depressão?
6.2. Os medos e a realidade das consultas de psiquiatria
6.3. Como ajudar alguém com doença mental
7. Autolesão e suicídio – conhecer os sinais, saber o que fazer
8. Umas Palavras finais

Ao longo da minha escrita tive dois grandes objetivos: querer que o leitor fique com uma noção mais realista do que são estas perturbações mentais (tentando ao máximo desmontar alguns dos mitos mais frequentes) e criar uma noção de empoderamento relativa à área da Saúde Mental (é possível fazer muito pelo nosso bem-estar mental, é possível criar bons hábitos, prevenir a doença e tratar as situações clínicas). 

Espero, sinceramente, que gostem do que escrevi, mas mais do que isso, espero que esta minha partilha seja útil e, quem sabe, possa trazer uma maior tranquilidade em alturas mais desafiantes.

Abraços

Diogo Guerreiro

#saudemental #bemestar #ansiedade #depressão #prevenção #promoçãodasaúde

 

Etiquetas: , , ,

Saúde mental

Um pequeno excerto do livro “E quando não está tudo bem?“, da minha autoria e que em breve estará disponível nas livrarias:

A Organização Mundial da Saúde (OMS) define a Saúde Mental como “um estado de bem-estar em que o indivíduo consegue utilizar as suas capacidades, enfrentar os stressores normais da vida, trabalhar produtivamente e contribuir para a sua comunidade“. Uma boa saúde mental promove a nossa realização pessoal, permite-nos pensar e sentir livremente, amar sem restrições, tirar prazer da nossa profissão e tomar decisões de forma autónoma. Facilita as nossas relações com os outros e, sobretudo, permite-nos apreciar e usufruir da nossa vida.

A saúde mental é muito mais do que a ausência de doenças ou deficiências mentais. Não é algo estático, nem uma característica inata ao nascimento ou que permaneça sempre igual ao longo do tempo. Tal como uma planta de que cuidamos, precisa de ser nutrida, cuidada e protegida, de forma a crescer de forma sustentada, ganhando flexibilidade e força para aguentar os embates negativos que a realidade impõe. Por vezes, vemos esta “planta” mais saudável, mais frondosa ou mais bonita… noutras alturas, passamos por sustos, por momentos de doença, em que a beleza se perde ou em que o crescimento se atrasa. Mas tudo está em constante mudança e as possibilidades são infinitas (saber isto é especialmente importante quando passamos por uma doença mental).

DG 2021

 

Etiquetas: , , , ,

Continuando

Ora viva,

Já passaram uns bons meses desde a última vez que escrevi aqui no blog… Tem sido um ano agitado, com muito trabalho e algumas atribulações. E, na realidade, a escrita sobre estes temas da saúde mental não tem parado; apenas assumiu uma nova forma.

Ao longo de vários meses tenho dedicado o meu tempo, entre consultas e família, à escrita de um livro focado nas temáticas da ansiedade e da depressão (mas não só!). Espero seja publicado em breve e que seja útil para as pessoas que se confrontam com estas questões, tão prementes nos dias de hoje.

Escolhi um título algo provocador “E quando não está tudo bem?”. Evocando aquela clássica pergunta “está tudo bem?”, que todos os dias fazemos quando cumprimentamos alguém, mas que raramente esperamos que seja respondida com sinceridade. Por vezes não está tudo bem, especialmente quando se está a lidar com problemas de saúde mental (nossos ou de outros que nos são queridos).

É tão importante estar à vontade para falar dos momentos em que não se está bem, tanto como das alturas boas. Todos somos seres humanos, todos temos momentos de fragilidade e vulnerabilidade. Mas, na prática, muitos de nós agem como se mostrar este nosso lado fosse algo vergonhoso. Não é! Partilhar os nossos problemas com alguém é um ótimo passo para resolvê-los. Pedir ajuda quando não está tudo bem deve ser encorajado e não visto como um sinal de fraqueza… a meu ver, é algo muito corajoso.

Espero dar-vos mais novidades em breve.

Abraços

Diogo Guerreiro

 

Etiquetas: , , , ,

Dicas para manter uma boa Saúde Mental

Uma imagem (com poucas palavras 😉) vale mil palavras. Recomendações da OMS.

Abraços a todos.

DG 2021

 

Etiquetas: , , , ,

Livro: “O Cérebro – À Descoberta de Quem Somos”

David Eagleman é um neurocientista da Universidade de Stanford nos EUA, que tem o dom de explicar de forma simples coisas altamente complexas.

Li recentemente o seu livro, editado em português pela Lua de Papel.

Posso dizer que “devorei” este livro em dois dias. Gostei imenso da forma de escrita e de como décadas de avanços no estudo do cérebro são resumidas em menos de 200 páginas!

As informações são exatas e apresentadas de forma divertida. O último capítulo é mais especulativo, mas não deixa de ser uma perspectiva muito interessante (em relação ao que o futuro nos reserva nesta área).

É perfeitamente acessível a adolescentes mais velhos (e até faz parte do nosso Plano Nacional de Leitura), podendo servir de base para boas (e pedagógicas) conversas entre família.

Fica aqui a sugestão de leitura.

Boas leituras e boa saúde mental… e, já agora, ler faz maravilhas pelo nosso cérebro.

Abraços

DG

“Porque vemos em câmara lenta em situações de grande tensão? Vemos mesmo a cores? Porque é que diferentes pessoas recordam de maneiras distintas o mesmo acontecimento? A resposta, claro, está toda no cérebro. E o autor mergulha com uma contagiante paixão nos seus mistérios, numa fascinante viagem ao nosso cosmos interior. Explica-nos como tomamos decisões, embarca connosco em desportos radicais, analisa expressões faciais ou erros da justiça e procura responder a questões maiores: Quem somos? O que é a realidade?Uma obra-prima de divulgação científica, com tudo o que de essencial se conhece hoje sobre o cérebro. Quando acabar de ler o livro, vai perceber que o mundo que pensa existir lá fora, afinal só existe dentro de si.”

 

Etiquetas: , , , , ,

Tempestades emocionais

“E quando a tempestade tiver passado, mal te lembrarás de ter conseguido atravessá-la, de ter conseguido sobreviver. Nem sequer terás a certeza de a tormenta ter realmente chegado ao fim. Mas uma coisa é certa. Quando saíres da tempestade já não serás a mesma pessoa. Só assim as tempestades fazem sentido” Haruki Murakami, in ‘Kafka à Beira-Mar

Diariamente ouço histórias de solidão, de saturação e de preocupação com o futuro.

Estamos cansados, pudera. Só queremos saber quando isto acaba, quando podemos voltar à nossa vida.

Vejo que valorizamos coisas simples, tomar um café na rua, beber um copo com um amigo, sossegar num jardim público, levar as crianças a andar de baloiço… por um lado, esta pandemia, levou-nos a por as nossas prioridades em ordem. Por outro, é uma tempestade emocional.

Quem sabe, quando sairmos disto, se nos tornaremos melhores pessoas? Mais focados no nosso eu verdadeiro, mais solidários, mais presentes na nossa única vida…

Gosto de pensar que sim.

Diogo Guerreiro

 

Etiquetas: , , , , ,

 
%d bloggers like this: