RSS

Arquivo da Categoria: Stress

Regresso após o confinamento

Hoje, após 2 meses de teletrabalho, vou voltar a estar com os meus pacientes de forma presencial. Manterei sempre a opção de consulta à distância para quem o desejar (o que continua a ser o mais seguro para todos). Os consultórios onde trabalho adaptaram-se, segundo as melhoras normas de segurança e trabalhar de máscara vai ser obrigatório.

Diogo Guerreiro em “modo máscara”

Não sou grande fã de ver pessoas com máscara, perde-se algo na comunicação e é necessário alguma intuição sobre o que se passa por detrás da mesma. Mas enquanto existir esta ameaça do vírus, que remédio tenho eu e os meus pacientes.

A boa notícia é que isto será apenas uma fase transitória. A má é não sabermos ao certo quanto tempo.

Mas agora uma coisa é certa: que bem que sabe voltar a falar com pessoas “ao vivo”!

As agendas sofreram algumas alterações, fruto do “novo normal”, sendo as marcações, confirmações e honorários tratados, como habitualmente, pelas clínicas onde trabalho (por telefone ou email):

Alterstatus (Algés): 214100480 – 963310209 – alterstatus@gmail.com

Clínica das Horas (Saldanha): 211957947 – 916006464 – geral@clinicadashoras.pt

Até breve e cuidem-se.

DG 2020

Os apetrechos necessários

 

Etiquetas: , , , ,

Quarentena em modo teleconsulta

Já se passaram mais de 40 dias desde que, pela razão que todos conhecemos, comecei a efetuar consultas à distância.

Já é possível fazer um balanço desta fase e pensar nos prós e nos contras. Penso que esta frase, de Fernando Pessoa, sintetiza muito bem o meu sentimento: “Primeiro estranha-se, depois entranha-se”.

Ao longo destas semanas esta foi, de facto, a única possibilidade. E aprendi a adaptar-me, em tempo recorde, a mexer em várias aplicações e sites, doxy, zoom, Skype; a gerir o apoio do secretariado por mail e telefone; a fazer multitasking entre contactos, confirmações, email, WhatsApp; a achar e arquivar processos. Enquanto tentei estar de corpo e alma nas consultas, tentando compensar as limitações do afastamento físico.

A experiência foi globalmente positiva, a estranheza dura os primeiros 5 minutos e, a certa altura, a conversa desenvolve-se e esquecemos que temos um ecrã entre mim e o paciente.

Estive com pessoas que já conhecia há algum tempo e outros que ainda não conheci face a face. Conheci animais de estimação, filhos, esposos, os seus quartos, salas, cozinhas, até o banco do jardim local. As pessoas mostravam-se no seu ambiente e isso compensou a perda da informação corporal das consultas on-line. Reparei que, talvez pela situação inédita, até havia mais vontade de partilhar e mesmo de rir de toda esta confusão. Claro que também observei muitos medos e consequência mais negativas, ao nível da saúde mental, desta pandemia.

Felizmente, a maioria dos meus pacientes adaptaram-se bem aos meios tecnológicos, mas há sempre aqueles que tem mais dificuldades… a opção presencial continuou como um último recurso.

Esta situação acaba também por interferir com a minha vida pessoal. A gestão aqui por casa é complexa. Para as minhas consultas consegui criar um espaço privado, tranquilo, dentro da minha casa, mas de vez em quando lá surgem as vozes dos meus filhos a brincar noutras divisões. A minha mulher é uma das médicas da linha da frente, os filhotes precisam de apoio e atenção, conseguimos organizar-nos em “turnos de trabalho” de modo a darmos apoio um ao outro enquanto trabalhamos. Funciona, mas posso dizer-vos que esta fase de confinamento não foi nada monótona! Ufa.

Mas mesmo com estes condicionamentos, penso que consegui dar o apoio que os meus pacientes precisavam e fico com a impressão que isto da teleconsulta veio para ficar!

Sem dúvida que a interrupção das consultas presenciais foi importante, cada um de nós com os seus esforços acabou por contribuir para aplanar a curva e evitar mortes desnecessárias. Sei que isto é incómodo para todos, mas mais de 1 mês depois, vejo que foi a decisão certa.

Claro que tenho saudades de estar com os meus pacientes, de os cumprimentar, de dar um beijinho, de receber um abraço… mas isso não está para voltar nos próximos tempos.

Aliás, o regresso assusta, não tanto pelo risco de contágio (embora isso seja uma preocupação), mas pelo encarar desta “nova realidade”, entre máscaras e acrílicos, com a falta de toque físico, sem acompanhantes nas consultas. Nem sei se estas novas consultas presenciais, não serão ainda mais estranhas que as consultas on-line. Como vou perceber se o doente está triste, contente ou preocupado debaixo da máscara?

Os consultórios estão prontos, com os seus planos de contingência, máscaras e álcool gel, acrílicos, ventilações, tudo para estarmos protegidos e seguros. Provavelmente daqui a umas semanas vou retomar gradualmente a consulta nesses espaços físicos. Embora, pelo menos durante o mês de Maio, vou privilegiar a consulta à distância, seguindo as recomendações das autoridades de “trabalho à distância sempre que possível”. Afinal, não nos podemos esquecer que ainda estamos na presença da ameaça do Coronavirus, temos conseguido evitar o pior mas ainda há muita luta pela frente.

De futuro, ainda não sei bem como gerir o “novo normal” com crianças pequenas sem escola ou infantário. Lá terei que puxar pela minha capacidade de adaptação e, com certeza, acharei a melhor solução. Perfeita não será, mas neste momento a última coisa que me preocupa é a perfeição; afinal estamos no meio de uma pandemia (mais imperfeito que isto não há)! Penso que uma das maneiras de manter a sanidade mental neste momento, e talvez não só neste momento, é não sermos tão exigentes connosco e sermos capazes de maior flexibilidade nos vários aspetos da nossa vida.

Sei que nos próximos tempos, os psiquiatras e psicólogos, vão ter muito que fazer… as consequências da COVID-19 a nível mental vão se sentir ao longo de meses. Espero conseguir estar à altura, quer seja através de um ecrã, quer seja por detrás de uma máscara.

Um abraço virtual para todos

Diogo Guerreiro

Médico psiquiatra.

 

Etiquetas: , , , , , ,

Saúde mental e Covid-19

O Ministério da Saúde criou um microsite dentro do site dedicado à covid-19 dedicado à saúde mental. Mais uma vez reforço: “Não há saúde sem saúde mental”.

A seguir aqui: https://saudemental.covid19.min-saude.pt

E a reter os “5 passos” para cuidar da sua saúde mental:

5 passos para cuidar da sua saúde mental

DG 2020

 

Etiquetas: , , ,

Mais algumas dicas para lidar com a ansiedade nesta fase

Diretamente da Unicef, este vídeo interessantíssimo. A ver e a partilhar.

Mantenham-se seguros e tomem conta da vossa saúde física e mental.

Dicas para cuidar da nossa saúde mental da Unicef

Abraços virtuais a todos.

DG Março 2019

 

Etiquetas: , , , ,

Cuidar da nossa Saúde Mental no tempo do Coronavírus

Cuidar da nossa Saúde Mental no tempo do Coronavírus

Vivemos tempos de incerteza e receio. Um novo vírus, medidas de precaução, afastamento social, quarentenas, inundação de notícias (falsas e verdadeiras), fechos de locais de ensino, perturbação das nossas rotinas. Pandemia… e também pandemónio (embora seja possível tomar medidas para prevenir a difusão de ambos).

Não será de estranhar que a nossa saúde mental se venha a ressentir, pois os impactos do coronavírus existem bem para lá das situações de saúde que ele provoca. No entanto, mesmo em alturas de crise, é possível (e essencial) cuidarmos da nossa saúde mental!

A informação é uma das mais poderosas armas que temos à nossa disposição. Tentar gerir as nossas ansiedades e medos (por mais válidos que sejam) é também fundamental, por nós, mas também pelas pessoas que nos rodeiam (especialmente as crianças).

mental-health-coronavirus

O que é o coronavírus?

O coronavírus (nome técnico SARS-CoV-2 – Severe Acute Respiratory Syndrome Coronavirus 2) trata-se de um vírus da família dos coronavírus que afeta os humanos e que causa infeções respiratórias, desde situações mais ligeiras (a maior parte) até casos mais severos. Trata-se de um novo vírus, apesar de parecido com SARS responsável por um surto em 2003. Surgiu em Wuhan na China, em Dezembro de 2019 e desde aí tem viajado pelo globo afetando milhares de pessoas de todos os continentes. A doença que provoca, a COVID-19 (coronavírus disease 2019), foi recentemente declarada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma pandemia, razão pela qual é tão importante aplicar medidas de contenção do vírus, prevenir a sua difusão, especialmente nas populações mais frágeis, e trabalharmos todos em conjunto, a uma escala global, de modo a reduzir as possíveis complicações e mortalidade relacionada com a COVID-19. Neste momento, não existe tratamento específico ou vacinação para a doença.

A página da OMS tem muita informação, atualizada e válida, que recomendo seguir: https://www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019

Medidas gerais a tomar (antes de irmos ao assunto da Saúde Mental), para mais informações ver os sites da Direção Geral de Saúde (https://covid19.min-saude.pt) e da OMS (https://www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019/advice-for-public):

  • Lavar as mãos frequentemente. Deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto direto com pessoas doentes. Deve lavá-las durante 20 segundos (o tempo que demora a cantar os “Parabéns”) com água e sabão ou com solução à base de álcool a 70%;
  • Medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir, com um lenço de papel ou com o antebraço, nunca com as mãos, e deitar sempre o lenço de papel no lixo;
  • Medidas de distanciamento social: mantenha, pelo menos, 1 metro de distância entre si e alguém que apresente sinais de doença respiratória (ex: tosse, espirros, febre).
  • Evitar tocar na cara com as mãos;
  • Evitar partilhar objetos pessoais ou comida em que tenha tocado.
  • Se apresentar sinais de doença, como febre, tosse e dificuldade respiratória, deve ligar para a linha SNS 24 (tel: 808 24 24 24).
  • Siga as indicações das autoridades de saúde, nomeadamente se for recomendado ficar em casa (quarentena), veja este vídeo para saber mais: http://www.publico.pt/2020/03/12/video/quarentena-20200312-094923

 

Como tomar conta da nossa saúde mental em tempo de pandemia?

Surtos de doenças infeciosas, como o atual coronavírus, podem ser assustadores e podem afetar nossa saúde mental. Embora seja importante manter-se informado e tomar todas as medidas de proteção para impedir o contágio pelo vírus, também há muitas coisas que podemos fazer para manter e tomar conta do nosso bem-estar mental (e físico) durante estes períodos.

Ficam aqui algumas dicas, que espero que ajudem, a cuidar da sua saúde mental neste momento em que se fala tanto de ameaças à nossa saúde física:

  1. Limite a exposição aos media (TV, jornais, redes sociais) e procure fontes de informação confiáveis: o desconhecido causa muitos medos, rumores e especulações. Existe muita informação, muito alarme e muitas notícias menos corretas (fake news). É natural desejarmos saber o máximo sobre qualquer ameaça para nós ou para os nossos entes queridos, mas estamos perante um agente desconhecido, que ainda não percebemos na totalidade e, assim sendo, nunca nos iremos sentir satisfeitos com a quantidade de informação que possuímos. Isto alimenta muito o nosso medo e ansiedade. É importante selecionar uma ou duas fontes de informação, confiáveis, sobre este tema (sugiro o site da OMS e o da DGS) e restringirmo-nos a estes.
  2. Siga, de forma decidida, as recomendações das autoridades de saúde: se há um momento em que devemos seguir recomendações é este! Ninguém é perfeito, pode haver falhas, mas nada pior do que cada pessoa decidir de forma individual o que fazer para combater esta pandemia. Coordenação é essencial!
  3. Tome conta de si mesmo: o autocuidado, durante esta fase, baseia-se em focar-se nas coisas que pode controlar (como medidas de higiene e de manutenção da saúde), em vez daquelas que não pode (parar o vírus). Sempre que possível, mantenha sua rotina diária e atividades normais: comer refeições saudáveis, dormir o suficiente e fazer as coisas que gosta. Considere criar uma rotina diária que priorize seu bem-estar e saúde mental positiva. Atividades, como ler, meditar, cozinhar uma refeição diferente ou fazer exercício (evite os ginásios, pode fazê-lo em casa), podem ajudá-lo a relaxar e terão um impacto positivo em seus pensamentos e sentimentos. Pode também aproveitar para recuperar algum tempo de sono, que deve a si mesmo há muito tempo (durma mais, faça umas sestas).
  4. Mantenha-se em contato com outras pessoas e apoie as pessoas ao seu redor: apesar de estarmos em período de evitar ao máximo sair de casa e reduzir os contatos físicos com outras pessoas, é possível utilizar as novas tecnologias para falar com amigos e familiares, estar presente mesmo à distância. Discutir as suas preocupações e sentimentos pode ajudá-lo a encontrar maneiras de lidar com os desafios. Receber apoio e cuidados de outras pessoas pode trazer uma sensação de conforto e estabilidade. Ajudar outras pessoas num momento de necessidade, falar com alguém que possa estar a sentir-se sozinho ou preocupado pode beneficiar tanto a pessoa que recebe apoio, quanto quem está a ajudar.
  5. Reconheça seus sentimentos: é normal sentir-se preocupado, angustiado, “stressado” ou chateado. Na realidade, na situação atual, é perfeitamente normal sentir toda o tipo de reações emocionais, aceite-o. Reserve um tempo para perceber e para expressar o que está a sentir: faça-o através da escrita ou de outra forma de expressão artística, converse com amigos e família, pratique meditação.
  6. Fale com seus filhos sobre o que se está a passar: de forma simples, adaptada à idade. Responda às perguntas e compartilhe factos sobre a COVID-19 de uma maneira que as crianças possam entender. Responda às reações do seu filho de maneira empática, ouça as suas preocupações e ofereça carinho, atenção e apoio extra. Tranquilize os seus filhos, dizendo-lhes que estão seguros e que todos estão a dar o seu melhor para superar esta crise. Diga-lhes que está tudo bem se eles se sentirem chateados, zangados ou ansiosos. Partilhe com eles como é que lida com a sua própria ansiedade, mesmo que lhes diga que não sabe tudo e que para si também está a ser difícil.
  7. Não entre em modo de “histeria generalizada”: não vá a correr aos supermercados e farmácias comprar tudo o que vir à frente, e arriscar nas multidões ser efetivamente contaminado e por em perigo a sua família. Não partilhe noticias menos fidedignas nas suas redes sociais. Não vá a correr para hospitais e centros de saúde com o primeiro dos sintomas, confie nos médicos e nas autoridades de saúde; ligue para o SNS 24 – 808 24 24 24.
  8. Não entre em modo de “negação”: isto não é uma “gripe qualquer”, trata-se de algo muito sério. Deve mesmo cumprir as medidas de segurança e de quarentena. Não é para ir para a praia, para restaurantes, para combinar encontros com amigos dos filhos. Está a colocar-se a si, à sua família e a toda a comunidade em perigo!
  9. Se tem alguma doença psiquiátrica de base é importante manter o tratamento: tenha medicação suficiente para pelo menos um mês, não interrompa, mas também não aumente sem falar com o seu médico. Existem possibilidades de consulta à distância com os médicos e com os psicólogos. Não interrompa o tratamento, especialmente nesta altura de maior stress psicológico.
  10. Em isolamento ou quarentena, planifique rotinas: é muito difícil vermo-nos restringidos da liberdade de irmos ter com um amigo, ou tomar um café na pastelaria da esquina. Mas o que tem que ser tem que ser. Poderá ajudar ver esta fase como um período de tempo diferente na sua vida, e não necessariamente mau (mesmo que isto não seja uma escolha sua). Será uma altura com um ritmo de vida diferente, uma hipótese estar em contato com os outros de maneiras diferentes da habitual (telefone, email, redes sociais). Crie uma rotina diária em que a prioridade é cuidar de si mesmo. Tente ler mais ou assistir a filmes em casa, ter uma prática de exercícios, experimentar novas técnicas de relaxamento ou encontrar novos conhecimentos na internet. Tente descansar e ver isso como uma experiência nova e incomum, que pode ter seus benefícios.
  11. Não estigmatize pessoas que tenham sido contagiados ou que estejam em quarenta: trata-se de uma infeção viral, com o potencial de infectar qualquer um de nós. Já é assustador ter a doença e ter noção que poderá ter contagiado outros, não é preciso fazer a pessoa sentir-se pior. Vamos focar-nos em seguir as recomendações das autoridades e “diminuir a curva”.

Covid-19-curvesv3.gif

Tome conta de si e ajude a proteger os outros. Seja solidário, seja paciente. Juntos e com “a cabeça no lugar” poderemos responder, da melhor maneira possível, a este grande desafio.

 

Diogo Guerreiro

Médico Psiquiatra

13.Março.2019

 

 

Etiquetas: , , , , ,

Novas tecnologias e psicopatologia

Recentemente pediram-me para falar sobre o tema “novas tecnologias e psicopatologia“, nas jornadas de Psiquiatria do Hospital Garcia de Orta. Realmente é um tema muito atual, desafiante, mas também extremamente complexo e extenso… Só refletir no que são “novas tecnologias” me deixou intrigado. Tanto como estudar a sua relação com a saúde (ou, neste caso, a doença) mental. Mas aceitei o desafio e lá estive esta semana a apresentar algumas coisas que estudei.

Novas tecnologias vs cérebro velho

As grandes conclusões são que as novas tecnologias são parte integrante do ecossistema em que os seres humanos habitam e que, sem dúvida, influenciam o nosso cérebro… talvez mesmo ao ponto de o eventualmente modificar! Que apesar das “novas tecnologias” estarem ainda a “anos-luz” das maravilhas que o nosso cérebro consegue fazer, elas evoluem a um ritmo impressionante e, é verdade, que o nosso “velho cérebro” (que demorou muitos milhões de anos a evoluir para a forma como se encontra hoje) poderá ter algumas dificuldades em se adaptar às mesmas.

Mas, na realidade, como em tudo o que se passa na nossa vida, o risco de “as novas tecnologias” nos deixarem “doentes” depende da forma como são utilizadas e dos mecanismos que utilizamos para nos defendermos. E que, aparentemente (digo isto porque não houve ainda tempo suficiente para responder a todas as questões), as “novas tecnologias” tanto podem trazer benefícios como malefícios.

Gostaria também de partilhar este conhecimento com os leitores do blog e da página de facebook. Portanto, aqui fica a apresentação, esperando que gostem e que vos seja útil para refletir sobre esta temática.

A pensar e a refletir.

DG 2019

 

 

Etiquetas: , , , , ,

10 Outubro: Dia Mundial da Saúde Mental

Dia 10 de Outubro é o dia Mundial da Saúde Mental. Ao longo dos anos este dia tem tido o propósito de chamar a atenção da comunidade para vários aspetos da nossa saúde mental, sendo que este ano o tema é “os jovens e a saúde mental num mundo em mudança”. A este propósito convido a visita à pagina da Organização Mundial da Saúde, onde poderão aprofundar mais este tema: http://www.who.int/mental_health/world-mental-health-day/2018/en/

saude mental.jpg

A Organização Mundial de Saúde (OMS) define a Saúde Mental como “o estado de bem-estar no qual o indivíduo realiza as suas capacidades, pode fazer face ao stress normal da vida, trabalhar de forma produtiva e frutífera e contribuir para a comunidade em que se insere“. Nesta definição, a “saúde mental” é entendida como um aspeto vinculado ao bem-estar, à qualidade de vida, à capacidade de amar, trabalhar e de se relacionar com os outros. Com esta perspetiva positiva, a OMS convida a pensar na saúde mental muito para além das doenças e das deficiências mentais.

Já anteriormente escrevi um post sobre promoção e prevenção das doenças mentais que pode ser aqui consultado. Mas nunca é demais chamar a atenção para coisas simples que todos nós podemos fazer para melhorar a nossa saúde mental e para prevenir situações mais complicadas no futuro… Aliás este tema foi relevado numa revisão muito recente (de 2018), na prestigiada revista Lancet Psychiatry (se tiverem a possibilidade leiam este artigo que é muito interessante), focando estratégias preventivas ao longo das várias alturas da nossa vida (desde antes do nascimento, até ao início da vida adulta).

Deixo-vos com uma pequena síntese das estratégias preventivas gerais (existem outras para grupos de risco, mas isto fica para outro post), baseadas na evidência científica atual, ao longo do nosso ciclo de vida.

Durante a gravidez e período pós-parto:

  • Boa nutrição
  • Vigilância adequada da gravidez e bons cuidados no parto
  • Promoção de uma boa vinculação entre progenitores e o recém-nascido

Durante a infância e adolescência:

  • Estimulação adequada à idade
  • Refeições (e tempo) em família
  • Treino de estratégias de resiliência
  • Bom clima escolar e familiar
  • Intervenções contra o bullying e outros tipos de violência
  • Boa nutrição
  • Exercício físico regular
  • Bons hábitos de sono
  • Prevenção de abuso de substâncias

Durante a vida adulta:

  • Boa nutrição
  • Exercício físico regular
  • Estratégias de redução de stress crónico
  • Bons hábitos de sono
  • Promoção de redes de suporte social e familiar (prevenir o isolamento)
  • Facilitar o reconhecimento precoce da doença mental e seu tratamento

Em todas as alturas do ciclo de vida:

  • Reduzir as iniquidades sociais e prevenir o desemprego
  • Melhorar a educação e os cuidados na infância
  • Reduzir o estigma associado à doença mental
  • Aumentar a consciencialização da sociedade e dos profissionais de saúde

Que todos tenhamos um bom dia e sempre promovendo a nossa saúde mental.

DG 2018

 

Etiquetas: , , ,

Um dos Mitos da Psiquiatria

A meu ver um dos maiores mitos (ideias falsas) na Psiquiatria é o seguinte:

Os diagnósticos em Psiquiatria são apenas etiquetas para comportamentos normais.

Para quem nunca lidou com alguém com uma doença mental (como amigo, familiar ou mesmo técnico) pode parecer que determinados sintomas psicopatológicos são muito semelhantes a emoções ou comportamentos normais.

Por exemplo, como traçar a linha entre a tristeza normal e a patológica, ou quando é que falamos de timidez ou de ansiedade social, ou quando é que a organização se torna uma compulsão?

No entanto, tal como a diferença entre um tumor benigno e um cancro, os sintomas na perturbação mental são bem diferentes das emoções ou comportamentos “normais”. Habitualmente, quando determinada emoção ou comportamento se torna debilitante ao ponto do paciente não conseguir funcionar do ponto de vista profissional, social ou familiar, estamos muito provavelmente perante uma doença mental.

O diagnóstico (a “etiqueta”), apesar de todas as limitações que bem conhecemos, torna-se nestes casos particularmente importante por várias razões:

  • para o próprio paciente saber com o que está a lidar;
  • para os técnicos intervirem da melhor forma e de acordo com o que se sabe do ponto de vista científico para esse diagnóstico;
  • também para a evolução da ciência, pois é necessário que os investigadores falem uma linguagem comum para compararem resultados e discutirem as possíveis linhas de investigação.

Os problemas de saúde mental (ou doenças psiquiátricas) são muito frequentes. Na verdade, quase 1 em cada 5 portugueses terão um problema de saúde mental diagnosticável ao longo da sua vida, de acordo com os dados da Direção Geral de Saúde.

Felizmente, hoje em dia, há vários tratamentos eficazes, quer em termos medicamentosos, mas também várias psicoterapias e intervenções ao nível do estilo de vida (como a prática de exercício físico, a meditação e intervenções nutricionais).

Daí a importância de um diagnóstico precoce, pois o prognóstico das doenças psiquiátricas é muito melhor quando acompanhadas desde cedo, podendo levar à remissão total dos sintomas e à prevenção das consequências terríveis de uma doença mental não tratada (como por exemplo a incapacidade profissional, o corte de relações sociais ou familiares, ou, em casos extremos, o suicídio).

DG 2018

PS: Se quiser conhecer outros mitos carregue neste link.

 

Etiquetas: , , ,

Dia “Time to Talk”

tttd-960-x-9603.jpgUma organização do Reino Unido promove o dia do “Tempo para Falar” (“Time to Talk”) sobre a Saúde Mental. O objetivo é diminuir a descriminação e o estigma a que muitos dos que sofrem com doença mental estão sujeitos… e isto pode ser feito de forma simples: falando sobre o assunto!

Este é o site oficial: https://www.time-to-change.org.uk

Neste site existe um vasto conteúdo, que todos podemos utilizar para sensibilizar sobre este tema. Estão disponíveis mais de 1000 histórias pessoais.

Aqui está um excerto retirado do site: 

Cerca de 1 em cada 4 pessoas terá um problema de saúde mental este ano, mas a vergonha e o silêncio podem ser tão maus quanto o próprio problema de saúde mental. A sua atitude em relação à saúde mental pode mudar a vida de alguém“.

Que não hajam dúvidas em relação a isto, a atitude de todos nós perante a Saúde Mental pode levar a mudanças substanciais na qualidade de vida dos outros… Por isso, fale sobre isto…

Desafio aceite, e vocês?

Abraços
DG 2018

Neste post mais antigo poderão ver alguns dos mitos (ideias erradas) mais comuns sobre este tema: https://reflexoesdeumpsiquiatra.com/2014/09/08/10-mitos-sobre-saude-mental/

 

Etiquetas: , , , , , , ,

Doenças mentais vs doenças físicas – faz sentido falar disto?

mentecorpo.jpgNão é raro ouvir-se falar de “doenças da cabeça” ou da diferença entre ter uma “doença física” ou uma “doença mental”… No entanto, esta divisão mente e corpo é puramente artificial e a manutenção desta visão deriva provavelmente do facto de o sistema nervoso central, o cérebro e as suas ligações, serem ainda em grande parte território inexplorado.

Os técnicos de saúde mental (psiquiatras, psicólogos, etc.) há muito que o sabem na prática. Que com muita frequência “doenças mentais” provocam sintomas físicos, veja-se o exemplo da depressão major em que são por demais comuns sintomas de dor, náuseas, cefaleias, etc. Ou que determinadas doenças ocorrem com maior frequência em pacientes com historial de depressão ou ansiedade (por exemplo), mas também vice-versa (doentes com determinadas “doenças físicas” tem maior prevalência de “doenças mentais”), como por exemplo as doenças cardiovasculares, as doenças autoimunes, a diabetes, entre muitos outros exemplos possíveis.

Felizmente vamos tendo cada vez mais dados de investigação que comprovam que as perturbações psiquiátricas levam alterações em múltiplos sistemas corporais e não apenas no cérebro (e não apenas a alterações nos neurotransmissores).

Olhemos para o caso da depressão (poderão ler mais sobre este tema aqui).

5908a2f185d53210113731.jpgDesde a antiguidade que ouvimos falar de depressão. Na Antiga Grécia, Hipócrates (o considerado pai da Medicina) colocava a hipótese que os estados de melancolia derivariam de excesso de bílis negra no fígado. E, de facto, a depressão continua a ser uma das doenças com maior magnitude e peso a nível global, sendo uma das principais causas de incapacidade a nível mundial. Estimativas de prevalência apontam para que 1 em cada 4 mulheres e 1 em cada 10 homens possam vir a ter um episódio depressivo ao longo da a sua vida.

Muito se tem evoluindo na compreensão desta doença, mas apesar dos inegáveis avanços ao longo do tempo, a sua causa é em muitos aspetos, desconhecida e controversa.

Tudo aponta para uma complexa interação entre vulnerabilidade genética, fatores do neurodesenvolvimento e fatores ambientais/ psicossociais; estes fatores poderão levar a modificações epigenéticas (mudanças na expressão dos genes); que por sua vez levarão a alterações a nível neuroquímico, neuroendócrino, neuroinflamatório, neuroestrutural e neurofuncional.

Longe está o tempo das conceptualizações mais simplistas como a hipótese das catecolaminas, proposta por Schildkraut em 1965, em que a depressão era explicada como uma simples deficiência de neurotransmissores na fenda sináptica (nomeadamente serotonina, noradrenalina ou dopamina).

O modelo biopsicossocial da depressão continua a ser de elevada relevância e atualidade e reflete a complexidade dos fatores causais biológicos (bio), psicológicos (psico) e sociais/ de contexto (social). Só com uma perspetiva integrativa e multidisciplinar se consegue avançar na investigação nesta área. A meu ver já não faz sentido verem-se aquelas guerras entre os “psiquiatras biológicos” (que achariam que tudo se resume a alterações químicas) e os “psicoterapeutas fundamentalistas” (que achariam que tudo se resume a mecanismos psicológicos explicados por determinada escola de psicoterapia) ou mesmo com certos grupos e movimentos antipsiquiatria (que achariam que as doenças mentais derivam apenas de pressão e manipulação social).

Apesar do puzzle da origem da depressão conter inúmeras peças, seguem-se, a título de exemplo, dez achados de investigação, consistentemente relatados, sobre a etiologia desta doença, com o objetivo de demonstrar a complexidade desta interação entre os fatores biológicos, psicológicos e sociais:

  • Vulnerabilidade genética: evidências robustas de estudos familiares e em gémeos demonstram que 30 a 40% do risco pode ser atribuível a fatores hereditários. Ter um familiar em 1º grau afetado aumenta o risco de depressão em 2 a 3 vezes.
  • Experiências adversas precoces: tudo aponta para que este fator ambiental em muito contribua para a etiologia das perturbações depressivas (dentro dos limites da vulnerabilidade genética). As experiências adversas precoces poderão ser de variados tipos, tendo tanto peso as situações de negligência como as de abuso.
  • Alterações observadas ao nível molecular: vários fatores moleculares forma implicados na fisiopatologia da depressão, nomeadamente: alterações de fatores neurotróficos e outros fatores de crescimento (que têm funções fundamentais em vários aspetos da neuroplasticidade e cujo stress crónico suprime a sua produção); alterações na regulação do sistema inflamatório, ao nível dos mediadores inflamatórios (citoquinas) e do eixo hipotálamo hipófise-suprarrenal (sistema que regula a inflamação e resposta ao stress a nível de todo o corpo).
  • Alterações observadas ao nível da neuroimagem: vários sistemas neuronais importantes, incluindo aqueles responsáveis pelo processamento e pela regulação das emoções, pela tomada de decisões assim como circuitos associados às sensações de recompensa e prazer, mostram alterações imagiológicas em pacientes com depressão.
  • Multiplicidade de fatores biológicos precipitantes: ao longo das décadas, tem-se verificado de forma consistente que uma grande variedade de doenças físicas, substâncias tóxicas, drogas ou medicamentos, estão relacionados com a indução de episódios depressivos (com efeito muito para além do que seria esperado em virtude apenas das alterações psicossociais a eles associadas).
  • Traços de personalidade que conferem vulnerabilidade: determinados traços de personalidade como o neuroticismo, o evitamento do dano (harm-avoidance), a tendência à autocrítica, assim como a presença de um temperamento predominantemente depressivo ou a inibição comportamental durante a infância, foram associados a um maior risco de episódios depressivos.
  • Fatores de stress psicossociais precipitantes: está também bem estabelecido, sobretudo nos primeiros episódios depressivos, que é comum verificarem-se fatores precipitantes ao nível psicossocial. Esta é a base do modelo diátese-stress da depressão, segundo o qual o individuo com determinados fatores de vulnerabilidade (diátese) quando exposto a um ou mais fatores de stress (por exemplo: desemprego, ruptura amorosa, morte de alguém próximo, etc.) irá desenvolver um episódio depressivo.
  • Situações precárias a nível de contexto social aumentam o risco: pessoas em situações de privação socioeconómica, em situações de isolamento ou com escassas redes de suporte social, apresentam um risco aumentado de vir a ter uma depressão.
  • Tratamentos biológicos com eficácia: a utilização de psicofármacos, sobretudo antidepressivos mas não só, tem mostrado eficácia no tratamento dos episódios depressivos. Também outros métodos como a eletroconvulsivoterapia, a estimulação magnética transcraniana, ou mesmo a suplementação nutricional (sendo a mais reconhecida feita com ácidos gordos ómega 3) são também estratégias eficazes.
  • Tratamento psicossociais com eficácia: várias abordagens psicoterapêuticas e outras estratégias como a meditação mindfulness ou o exercício físico têm mostrado eficácia (este últimos sobretudo como adjuvantes) no tratamento dos episódios depressivos.

Com estas 10 peças deste grande puzzle, sempre em crescimento e em constante interação, pretendeu-se demonstrar os avanços marcados na compreensão da depressão e a importância de uma abordagem integrativa.

A depressão é hoje em dia considerada uma doença do corpo, que afeta o sistema nervoso central, mas também vários outros sistemas espalhados por todo o nosso organismo (por exemplo: o sistema inflamatório/ imune, o sistema cardiovascular, o sistema hormonal, etc.). Cuja origem deriva de uma combinação de fatores internos (biológicos e psicológicos) em interação com fatores de contexto ou sociais. Por isso mesmo, os melhores tratamentos normalmente envolvem uma combinação de estratégias psicoterapêuticas, medicamentos (quando indicados) e alterações de estilo de vida.

Tal como na depressão a maioria das “doenças da cabeça” são também doenças “físicas”, sendo muito importante tratar a pessoa como “um todo”.

Espero que tenha sido útil esta reflexão.

Abraços

DG 2018.

 

Etiquetas: , ,

 
%d bloggers like this: