RSS

Arquivo da Categoria: Somatização

Setembro Amarelo: prevenir o Suicídio

O suicídio é um importante problema de saúde pública a nível global. Alguns números da Organização Mundial de Saúde permitem-nos ver a dimensão desta questão:

  • No mundo, 800 mil pessoas suicidam-se todos os anos (o que significa 1 pessoa a cada 40 segundos).
  • A Europa é a região do mundo com a mais alta taxa de suicídio (14,1 por cada cem mil habitantes).
  • Portugal está acima da média global de suicídios, apresentando uma taxa de 13,7 por cem mil habitantes em 2015, face a uma taxa mundial de 10,7 (dados de 2015).
  • O suicídio afeta pessoas de todas as faixas etárias, apesar de ser mais frequente nos idosos é a 2ª causa de morte entre os 15-29 anos (a primeira causa são acidentes de viação).
  • Por cada suicídio muito mais pessoas fazem tentativas de suicídio ou comportamentos autolesivos, sendo estes dos principais fatores de risco para suicídio consumado.

logo.png

Quem está em risco?

Existe uma ligação clara entre suicídio e doenças mentais (em particular com a depressão, a doença bipolar, determinadas perturbações de personalidade, abuso e dependência de substâncias). Estima-se que em pelo menos 90% dos suicídios fosse possível diagnosticar uma perturbação psiquiátrica.

No entanto, o suicídio é um resultado de múltiplos fatores, que se associam entre si e que podem levar a este desfecho trágico. No fundo, o suicídio não acontece apenas por uma coisa, mas sim pela combinação de excesso de fatores de risco e défice de fatores protetores.

  • Fatores de risco são circunstâncias, condições, acontecimentos de vida, doenças ou traços de personalidade que podem aumentar a probabilidade de alguém realizar comportamentos autolesivos ou atos suicidas. São exemplos: doença mental (não seguida, não tratada); experiências adversas na infância; bullying ou mobbing; baixa autoestima; perfeccionismo e rigidez; sentimentos de desesperança; presença de tentativas de suicídio prévias ou contacto com suicídio ou comportamentos autolesivos de outros.
  • Fatores protetores correspondem a características e circunstâncias individuais, coletivas e socioculturais que, quando presentes e/ou reforçadas, estão associadas à prevenção dos comportamentos autolesivos e do suicídio. São exemplos: boa capacidade da resolução de problemas e conflitos; iniciativa no pedido de ajuda; noção de valor pessoal; bons relacionamento familiares; facilidade de acesso aos serviços de saúde; boa inserção sociocultural.

Muito pode ser feito para prevenir o suicídio. Segundo a Organização Mundial da Saúde, 9 em cada 10 casos poderiam ser prevenidos. É necessário a pessoa procurar ajuda e cuidados de quem está à sua volta.

Neste contexto destaco uma das mais recentes iniciativas, a “Campanha Setembro Amarelo”. Esta tem como principal objetivo a consciencialização sobre a prevenção do suicídio, alertando a população e as instituições. Iniciada em Brasília em 2014, tem ganho projeção a nível global. Em Portugal, Beja é a primeira cidade portuguesa a promover iniciativas no âmbito desta campanha. Fica aqui o site do facebook: https://www.facebook.com/setembroamarelobeja.

É importante que todos juntemos os nossos esforços para ajudar quem está em sofrimento e para quebrar os mitos e ideias erradas, que tantas vezes impedem as pessoas de serem ajudados efetivamente.

Convido-vos também a visitarem este artigo intitulado: os 10 grandes mitos (ideias erradas) sobre o suicídio e sobre os comportamentos autolesivos.

Abraços para todos

DG 2017

PS: A visitar o site oficial do Setembro Amarelo: http://www.setembroamarelo.org.br

 

Anúncios
 

Etiquetas: , , ,

Promoção da Saúde Mental e Prevenção das Doenças Mentais

mens-sana-in-corpore-sano.jpgMens sana in corpore sano (“mente sã num corpo são”) é um aforismo muito antigo, atribuído ao poeta romano Juvenal. No entanto, nos dias que correm, observo que pouca importância tem sido dado à parte “mente sã”, pelo menos quando comparando com a outra porção deste aforismo, o “corpo são”. Quantas campanhas estão em curso para a promoção da Saúde Mental? Poucas, insuficientes, na minha opinião. Isto torna-se ainda mais visível quando nos tentamos lembrar das campanhas de promoção do “corpo são”, desde as campanhas que promovem o exercício físico, passando pelas que promovem uma alimentação saudável e chegando até outras como a prevenção do consumo de tabaco e álcool.

Poderá argumentar-se que estas campanhas, mais ligados à parte do corpo, estejam indissocialvelmente ligadas à saúde mental. E isto é verdade, pois sabemos que o exercício físico, a boa nutrição e a prevenção do consumo de substâncias, estão ligados a uma boa saúde mental e à prevenção das doenças mentais; no entanto, a minha impressão é que estas campanhas raramente focam o conceito de Saúde Mental e a importância das mesmas para prevenir as doenças mentais ou promover a Saúde Mental do indivíduo. Será uma questão de preconceito? De estigma? Do receio de falar das doenças mentais? Infelizmente, creio que sim.

Porque é importante promover a Saúde Mental e prevenir as Doenças Mentais?

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS): cerca de 450 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de uma doença mental; 1 em cada 4 pessoas irá desenvolver uma perturbação mental ao longo da sua vida; a nível global 5 das 10 causas principais de incapacidade e morte prematura são doenças psiquiátricas. Estima-se que em 2030 uma doença mental, a Depressão, irá ser a principal causa de incapacidade e morte prematura, acima de outras patologias como as doenças cardiovasculares, as doenças respiratórias, a diabetes, as doenças infecciosas, etc.

É interessante refletir na quantidade de campanhas de prevenção que se focam na prevenção da doença cardiovascular, das doenças respiratórias, da diabetes, quando comparadas com aquelas que se focam na prevenção da depressão. Não digo que isto é mau por si, ainda bem que se está a prevenir a doença e a melhorar a saúde das pessoas (em certas áreas)… Mas porquê negligenciar as doenças mentais? Fica a questão.

Dados do “Estudo Epidemiológico Nacional de Saúde Mental“, realizado por investigadores da Faculdade de Ciências Médicas (NOVA), indicam que em Portugal 22.9 % da população sofre de alguma perturbação psiquiátrica, pondo-nos no “pódio” dos países europeus e apenas ligeiramente abaixo das estimativas para os Estados Unidos. Esta investigação refere ainda que entre 34 a 82% destas pessoas doentes, não recebe tratamento adequado (sendo o valor mais alto para as “perturbações ligeiras” e o valor mais baixo para as “perturbações graves”). Um cenário, a meu ver, preocupante… Que deveria levar a maior ação por parte dos nossos decisores em Saúde e da Sociedade em geral.

Os dados são conclusivos, os problemas de saúde mental representam um grave problema de saúde pública. Os custos diretos (despesas assistenciais) e indiretos (por exemplo: baixas por doença, incapacidade permanente, morte prematura) atingem uma magnitude preocupante. Por isso a OMS recomenda, desde há muito tempo, que “de forma a reduzir o peso e as consequências das perturbações mentais, tanto a nível de saúde, como social e económico é essencial que os países prestem maior atenção à prevenção da doença mental, assim como à promoção da saúde mental”.

Afinal o que é a Saúde Mental?

A Organização Mundial de Saúde (OMS) define a Saúde Mental como “o estado de bem-estar no qual o indivíduo realiza as suas capacidades, pode fazer face ao stress normal da vida, trabalhar de forma produtiva e frutífera e contribuir para a comunidade em que se insere“.

Nesta definição, a “saúde mental” é entendida como um aspecto vinculado ao bem-estar, à qualidade de vida, à capacidade de amar, trabalhar e de se relacionar com os outros. Com esta perspectiva positiva, a OMS convida a pensar na saúde mental muito para além das doenças e das deficiências mentais.

Quais as diferenças entre Promoção da Saúde Mental e Prevenção das doenças mentais?

A Promoção da Saúde é o processo que permite capacitar as pessoas a melhorar e a aumentar o controle sobre a sua saúde (e seus determinantes – sobretudo, comportamentais, psicossociais e ambientais). Parte de um “paradigma salutogénico”, ou seja, valoriza os factores que interferem positivamente na saúde levando a medidas que não se dirigem a uma determinada doença ou desordem, mas servem para aumentar a saúde e o bem-estar gerais. Enfatiza a transformação das condições de vida e de trabalho que conformam a estrutura subjacente aos problemas de saúde, demandando uma abordagem intersectorial.

Por outro lado a Prevenção da Doença visa diminuir a probabilidade da ocorrência de uma doença (incidência), assim como tratar a doença ou reparar a incapacidade (prevalência) e atenuar os seus efeitos ou futuras consequências. Parte de um “paradigma patogénico”, valorizando os fatores que interferem negativamente na saúde. As ações preventivas definem-se como intervenções orientadas a evitar o surgimento de doenças especificas, reduzindo sua incidência e prevalência.

Sobretudo nas intervenções mais básicas, os conceitos são em parte sobreponíveis, vejamos o exemplo de uma campanha de prevenção do tabagismo, poderá tratar-se de uma medida de Promoção da Saúde (quando o objetivo principal é melhorar a saúde como um todo) ou de Prevenção de Doença (quando o objetivo principal é a redução da incidência de doenças pulmonares, por exemplo).

Tanto os programas de Promoção como as estratégias de Prevenção tem como alvo interferir nos chamados “determinantes de Saúde Mental” ou, mais vulgarmente, nos fatores de risco e nos fatores protetores. Ambos podem ser de natureza individual, familiar, ambiental ou socioeconómica.

A tabela 1 dá-nos um relance dos principais determinantes sociais, ambientais, económicos de Saúde Mental.

Fatores de risco Fatores protetores
Acesso fácil a drogas e álcool Interações sociais positivas
Isolamento/ Alienação Participação social
Falhas a nível de educação, alojamento, transportes Tolerância social
Desemprego Integração de minorias étnicas
Guerra/ Violência Bons serviços de suporte social
Descriminação/ Racismo Empowerment
Deficiente nutrição
Rejeição por pares
Stress laboral
Desigualdades sociais

Tabela 1: Determinantes sociais, ambientais, económicos de Saúde Mental. Esta não é uma lista exaustiva dos determinantes, apenas uma seleção.

A tabela 2 dá-nos um relance dos principais determinantes individuais ou familiares de Saúde Mental.

Fatores de risco Fatores protetores
Abuso ou negligência infantil Adaptabilidade
Abuso ou negligência no idoso Autonomia
Uso excessivo de substâncias Literacia
Exposição à violência, agressão ou trauma Interação positiva pais-filho
Doença física Apoio social de família e amigos
Falta de competências sociais Boa autoestima
Acontecimentos de vida stressores Boa capacidade de lidar com o stress
Doença mental parental Prática de exercício físico
Complicações na gravidez ou no parto Estimulação cognitiva da nascença à velhice

Tabela 2: Determinantes individuais ou familiares de Saúde Mental. Esta não é uma lista exaustiva dos determinantes, apenas uma seleção.

Como podemos observar das tabelas acima, existem inúmeros determinantes que poderiam ser alvo de programas de promoção e prevenção na área da Saúde Mental. Estes determinantes gerais, são comuns a vários problemas de saúde mental/ doenças mentais, pelo que intervenções dirigidas a estes fatores genéricos podem levar a elevada abrangência de efeitos preventivos.

Alguns exemplos de estratégias de Promoção e de Prevenção Primária Universal

Para melhorar a Saúde Mental como um todo, é necessário investir em programas de Promoção e de Prevenção (não seletiva, ou seja, universal), que são, neste caso, muito sobreponíveis. Deixo aqui alguns exemplos do documento da OMS (2004), Prevention of mental disorders : effective interventions and policy options:

  • Melhorar a nutrição: tem como efeitos um desenvolvimento cognitivo saudável; melhoria dos resultados educacionais e redução do risco de doenças mentais;
  • Melhorar condições de habitação: demonstrou-se que melhor as condições de habitação melhora os resultados de saúde (física e mental);
  • Melhorar a acessibilidade à educação: verificou-se que medidas a este nível levam a maior proteção contra doenças mentais, através de melhoria das competências sociais, intelectuais e emocionais;
  • Reduzir insegurança económica: a insegurança económica é um fator de stress major e de forma arrastada pode levar a aumento do consumo de substâncias, maior risco de depressão e de suicídio. Intervenções a este nível podem prevenir estas consequências;
  • Reforçar as redes sociais: através do envolvimento de vários elementos do sistema (política, media, escolas, profissionais de saúde, comunidades de cidadãos, etc.), levando a empowerment, sentido de pertença e autoconfiança dos indivíduos;
  • Reduzir o dano causado por substâncias aditivas: quer através de maior taxação, ou limitando anúncios ou restringindo o seu acesso (por exemplo: limites de idade legais mais elevados), levam à prevenção das perturbações de abuso de substâncias e consequentemente de outras perturbações mentais.

Estes são só alguns exemplos de programas, que como podemos verificar, só são possíveis de aplicar através de uma abrangente colaboração entre as vários estruturas da sociedade.

Um exemplo de prevenção específica, o caso da depressão.

Como referido anteriormente, a depressão é uma das principais causas de incapacidade e morte prematura. É fundamental prevenir e tratar precocemente os estados depressivos. Mais uma vez existem estratégias comprovadas tanto de aplicação universal (intervenções dirigidas a uma população ou grupo populacional, geral, não identificado com base no risco aumentado), como de prevenção seletiva (em que o alvo são indivíduos ou subgrupos da população cujo risco de desenvolver doença mental é significativamente maior que a média) ou de prevenção indicada (cujo alvo são indivíduos de alto risco, identificados como tendo sintomas ou sinais “mínimos”, indicadores de provável desenvolvimento de doença mental).

A título de exemplo ficam aqui algumas estratégias de prevenção universal da depressão, de acordo com a faixa etária:

  • Crianças e adolescentes: Programas em meio escolar, reforçando perícias cognitivas, de resolução de problemas e sociais;
  • Adultos: Programas de gestão do stress e conflitos no local de trabalho; programas de promoção exercício físico; pprogramas de aumento da literacia em saúde mental;
  • Idoso: Programas de “envelhecimento ativo”, focando no exercício/ estimulação cognitiva e evitando o isolamento.

 

Resumindo e concluindo.

Os problemas de Saúde Mental são muito frequentes e estão associados a elevada incapacidade e morte prematura. É essencial investir na promoção da saúde mental e na prevenção das doenças mentais, sendo que muito pode ser feito a este nível. Desde medidas que focam a Saúde Mental como um todo abordando os seus determinantes gerais, até estratégias muito específicas que abordam apenas um problema e os seus fatores de risco e protetores específicos.

No entanto, para isto acontecer, é necessário a vontade de todos, desde os decisores na área da Saúde, passando pelos técnicos de Saúde (não só Mental) e claro, das associações de doentes e seus familiares, assim como de vários grupos de influência na sociedade. E claro, para que isto aconteça, é obrigatório que exista literacia em Saúde Mental, não podemos avançar neste campo enquanto os preconceitos, os mitos e as ideias erradas o dominarem.

DG 2016

mental-health-word-bubble-435x290.jpg

 

Etiquetas: , , , ,

Imagem

O que NÃO dizer a alguém com doença mental

doenças mentais o que não dizer

 

Etiquetas: , ,

“Loucamente” – uma exposição no pavilhão do conhecimento a não perder

Fui hoje a esta exposição no pavilhão do conhecimento… Gostei, achei muito interessante e bem realizada. Apesar de ter ido com os meus miúdos e destes terem gostado de algumas das actividades, parece-me mais direccionada para o público adolescente e adulto.
Gostei muito da “barbearia”, do “esquizofone”, das simulações em realidade virtual para o tratamento de fobias, dos testemunhos e, especialmente, do “triturador de preocupações” –  toda a gente deveria ter um destes em casa! 🙂

Recomendo: http://www.pavconhecimento.pt/visite-nos/exposicoes/detalhe.asp?id_obj=3076

Abraços

DG 2014

"LOUCAMENTE" é a nova exposição temporária do Pavilhão do Conhecimento

“LOUCAMENTE” é a nova exposição temporária do Pavilhão do Conhecimento

O QUE É

LOUCAMENTE é a nova exposição temporária do Pavilhão do Conhecimento

Foi produzida em consórcio por três centros de ciência: Pavilhão do Conhecimento (Lisboa), Heureka (Helsínquia) e Universcience (Paris)

É a primeira exposição interactiva de um centro de ciência dedicada ao bem-estar da mente e pretende dar início a uma discussão pública sobre a saúde mental e o seu impacto pessoal e social

É uma exposição positiva sobre um tema complexo, que quer substituir o preconceito pelo conhecimento, o estigma pela compreensão e incentivar os visitantes a cuidar do seu bem-estar mental

Pode ser visitada até Setembro de 2015

O QUE O VISITANTE PODE FAZER

Experienciar num ambiente seguro como se sentem as pessoas com determinadas perturbações mentais

Simular a sensação de ouvir vozes vindas de todos os lados

Entrar na sala das fobias e na barbearia das psicoses

Pôr à prova a sua percepção corporal no espelho da auto-estima

Desfazer-se dos seus problemas no triturador de preocupações

Cometer loucuras saudáveis, como dançar ao som de uma música inspirada pela loucura

Descobrir como os especialistas em cada época trataram a depressão e a esquizofrenia

Testar o seu conhecimento sobre as doenças e o bem-estar mental

Conhecer as perturbações mentais e os seus tratamentos

Ouvir testemunhos de pacientes portugueses sobre as suas doenças mentais e a forma como lidam com elas

Testar a memória e a forma como percepciona as emoções

Enfrentar uma floresta repleta de situações assustadoras

Representar em frente a um espelho a emoção indicada pela máscara, usando o corpo

Expressar e desenhar os seus sentimentos com água

 

Etiquetas: , ,

10 mitos sobre saúde mental

mito-ou-verdadeA saúde mental continua a ser uma área envolta em mitos, preconceitos, estigma e ideias erradas. É inegável que muito se tem evoluído nesta área, mas muito existe ainda a fazer, para que as pessoas que sofrem de qualquer problema de saúde mental tenham os cuidados adequados, para que não tenham receios em pedir ajuda e para que não se sintam (ou sejam) descriminadas.

Só esclarecendo sobre estes mitos é possível ajudar a reduzir os mal-entendidos sobre as perturbações mentais, algo tão prevalente na nossa sociedade… E para isso todos podemos contribuir.

Sinta-se livre para partilhar esta página, com um amigo, com um membro da família, ou mesmo com um profissional de saúde ou de saúde mental. Aqui ficam 10 dos principais mitos (ideias erradas) relacionados com a saúde mental:  

1. Os problemas de saúde mental são incomuns.

Na verdade, quase 1 em cada 5 portugueses terão um problema de saúde mental diagnosticável ao longo da sua vida, de acordo com os dados da Direção Geral de Saúde publicados no relatório “Portugal, Saúde Mental em números – 2013” (o documento pode ser descarregado aqui: DGS Saude Mental em Numeros Portugal 2013).

2. Os problemas de saúde mental são causados ​​pela pessoa que deles padece.

Se por um lado é verdade que as pessoas precisam de assumir a responsabilidade pelos seus próprios pensamentos, sentimentos e comportamentos associados às perturbações, eles não são os culpados por eles. Há uma diferença importante entre assumir a responsabilidade e aceitar a culpa, mas, infelizmente, muitas pessoas confundem essas duas coisas.

3. Os problemas de saúde mental são de natureza puramente biológica ou genética.

Apesar de investigações recentes demonstrarem um papel importante da biologia ou da genética numa grande parte dos problemas de saúde mental, estes são presentemente conceptualizados como o resultado final de múltiplos fatores: biológicos; genéticos; sociais; psicológicos; ambientais; etc. A doença mental é complexa e exige uma ampla visão para a sua compreensão, mas também na intervenção.

4. Os problemas de saúde mental são muitas vezes para toda a vida e difíceis de tratar.

Esta questão coloca-se muito frequente quando se medica pela primeira vez um paciente, com uma doença recém-diagnosticada, como depressão ou ansiedade. Na verdade, a maioria dos medicamentos (com algumas poucas exceções, como as previstas para a doença bipolar e esquizofrenia, por exemplo) são prescritos para um prazo relativamente curto (menos de um ano), tendo como objectivos o alívio dos sintomas e a prevenção de episódios futuros. Na maior parte dos casos é possível resolver a situação por completo.

5. Uma psicoterapia leva uma eternidade e foca sempre problemas de infância.

Trata-se de um mito e um resquício dos dias em que a única opção era a realização de terapias do tipo psicanálise clássica. Embora por vezes esta técnica seja útil e eficaz, as várias técnicas de psicoterapia modernas podem ser de curta duração e orientadas para o problema. São exemplo as psicoterapias de modelo cognitivo-comportamental, que enfatizam pensamentos irracionais que levam a comportamentos e sentimentos disfuncionais, ou a terapia interpessoal. A maioria das doenças mentais comuns podem ser tratadas numa questão de meses em vez de anos.

6. Eu posso lidar com meus próprios problemas de saúde mental, e se eu não posso, eu sou fraco.

Apesar da primeira parte dessa afirmação não ser tanto um “mito”, porque a realidade é que a maioria das pessoas que têm um problema de saúde mental não procuram tratamento adequado (infelizmente). No entanto a segunda parte (sou fraco) é claramente um preconceito.

Se bem que por vezes o esforço para resolver o problema, através de estratégias de coping (tais como o exercício físico, cuidados com a alimentação, sair com os amigos, esforçar-se mais no trabalho, etc.) possa ajudar a minimizar o problema, por vezes é mesmo necessário recorrer a ajuda de um profissional de saúde mental… e isto não deve ser vergonha nenhuma! Isto não significa que você é fraco – fraco de espírito, de força de vontade, ou o que quer que seja. Isto significa que você percebe e aceita as suas limitações humanas e naturais, e procura cuidados adequados quando as suas capacidades de lidar com o problema não são o suficiente.

Se tivesse partido um pé a sua escolha seria esforçar-se para aguentar, com risco de agravar a fratura e arriscar uma incapacidade permanente, ou ir a um ortopedista para tratar desse problema e voltar a andar como antes? Isto faria de si fraco!? Veja esta imagem.

7. Se eu admitir que tenho problemas, toda a gente vai pensar que eu sou maluco e eu vou ter de ir para um hospital por um tempo muito longo.

“Maluco” é um termo genérico que nada significa neste contexto. Todos somos um pouco “malucos”, pelo menos por vezes (e ainda bem). No entanto, ter uma doença mental não significa que você está “maluco” ou “louco”. Significa apenas que você tem um problema, tal como uma outra qualquer doença médica, que precisa de tratamento. Será que um membro da família ou amigo vai pensar mal de si por ter leucemia? Cancro? Gripe? Então porque deveriam pensar mal de si por ter depressão ou ansiedade? Se o fizerem, são eles que precisam de educação e de ser menos preconceituosos.

A maioria das pessoas que têm uma perturbação mental não precisa de internamento. A hospitalização só é usado em casos extremos, quando o problema o coloca em risco de morte iminente (ou com risco de causar danos a objetos ou outras pessoas) ou para a realização de um tratamento especial que necessita mesmo de ser feito em ambiente hospitalar. Mesmo que seja internado, isso não significa que fique internado semanas ou meses. Tal como em qualquer doença, será avaliado, tratado e terá alta assim que se estiver a sentir melhor.

8. Ter ideias suicidas significa que enlouqueci.

É comum existirem ideias suicidas na depressão ou noutras perturbações do humor. É um sintoma, que apesar de grave e angustiante, é comum, não o fazendo mais ou menos “louco”. Estas ideias suicidas começam a desaparecer assim que começar a receber os cuidados adequados para a sua condição. É por isso que é tão trágico quando as pessoas realmente se suicidam, sem pedir ajuda … acredito que a maioria o faz por estar doente e que se tratado a tempo poderia estar vivo e a sentir-se bem. Veja aqui os 10 grandes mitos (ideias erradas) sobre o suicídio e sobre os comportamentos autolesivos.

9. Os medicamentos psiquiátricos causam dependência e depois de começar é muito difícil parar.

Trata-se de um mito muito frequente, que leva a que muitas pessoas não façam os tratamentos adequados. A verdade é que a maioria dos medicamentos utilizados para tratar as perturbações mentais não causa qualquer dependência. Nem os antidepressivos, nem os estabilizadores do humor, nem os antipsicóticos, apresentam este problema. Por outro lado, medicamentos ansiolíticos comuns (ex: xanax, lorenin, victan, etc.) que as pessoas utilizam muitas vezes sem qualquer seguimento médico (por vezes mesmo sem receitas médicas, sendo fornecidos por amigos ou vizinhos), e muitas vezes sem esta preocupação “que possam causar vício”, podem levar a uma dependência complicada. Não quer dizer que não se possam utilizar e que não sejam úteis, porque o são de facto, mas sempre sob monitorização e acompanhamento adequado.

10 . Os diagnósticos em Psiquiatria são apenas etiquetas para comportamentos normais.

Para quem nunca lidou com alguém com uma doença mental (como amigo, familiar ou mesmo técnico) pode parecer que determinados sintomas psicopatológicos são muito semelhantes a emoções ou comportamentos normais. Por exemplo, como traçar a linha entre a tristeza normal e a patológica, ou quando é que falamos de timidez ou de ansiedade social, ou quando é que a organização se torna uma compulsão? No entanto, tal como a diferença entre um tumor benigno e um cancro, os sintomas na perturbação mental são bem diferentes das emoções ou comportamentos “normais”. Habitualmente, quando determinada emoção ou comportamento se torna debilitante ao ponto do paciente não conseguir funcionar do ponto de vista profissional, social ou familiar, estamos muito provavelmente perante uma doença mental. O diagnóstico (a “etiqueta”) torna-se nestes casos particularmente importante por várias razões: para o próprio paciente saber com o que está a lidar; para os técnicos intervirem da melhor forma e de acordo com o que se sabe do ponto de vista científico para esse diagnóstico; também para a evolução da ciência, pois é necessário que os investigadores falem uma linguagem comum para compararem resultados e discutirem as possíveis linhas de investigação.

Recomendo também a leitura deste post mais antigo sobre os principais medos envolvidos na primeira consulta, algo que chamei de psiquiatrofobia.

Um abraço e lembrem-se que compete a todos lutarmos contra o estigma e o preconceito na saúde mental. DG 2014

PS: Parte deste artigo baseia-se no trabalho de Grohol, J.M. (Feb 1998). Top ten myths about mental health  

 

Etiquetas: ,

Por vezes, quando digo “está tudo bem”…

…gostaria que alguém me olhasse nos olhos e dissesse “não estás sozinho”.

Um alerta da autoria de Soumya Jindal, publicado na página de Facebook da United Nations For Youth, a propósito da campanha Mental Health Matters (das Nações Unidas). Uma imagem que vale mil palavras.. um alerta para a solidão causada pelo estigma que existe a propósito das doenças mentais… um sofrimento isolado, incompreendido.

Não pode continuar a ser esta a realidade!

Soumya Jindal #MentalHealthMatters

Soumya Jindal #MentalHealthMatters

 

Etiquetas: , ,

O que é a Saúde Mental?

A Organização Mundial de Saúde (OMS) define a saúde mental como “o estado de bem-estar no qual o indivíduo realiza as suas capacidades, pode fazer face ao stress normal da vida, trabalhar de forma produtiva e frutífera e contribuir para a comunidade em que se insere“.

Nesta definição, a “saúde mental” é entendida como um aspecto vinculado ao bem-estar, à qualidade de vida, à capacidade de amar, trabalhar e de se relacionar com os outros. Com esta perspectiva positiva, a OMS convida a pensar na saúde mental muito para além das doenças e das deficiências mentais.

Saúde-Mental

Porque é isto importante?

A OMS publicou recentemente um relatório sobre a importância de investimento na saúde mental. No relatório “Investing in Mental Health – Evidence for action”, a OMS explora os conceitos de saúde mental, qual a sua importância para a vida humana como um direito fundamental, e quais as direções que os governos podem seguir no sentido de alterar as políticas públicas.

“A saúde mental e o bem-estar são fundamentais para nossa capacidade coletiva e individual, como seres humanos de pensar, sentir, interagir uns com os outros, ganhar e aproveitar a vida. No entanto, atualmente a formação do capital mental individual e coletivo – especialmente nos estágios iniciais da vida – está a ser retido por uma série de riscos evitáveis ​​para a saúde mental, enquanto os indivíduos com problemas de saúde mental são desprezados, discriminados e negados direitos básicos, inclusive acesso aos cuidados essenciais.

Neste relatório, as razões potenciais para esta aparente contradição entre os valores humanos e ações sociais observados são explorados com vista a uma melhor formulação de medidas concretas que os governos e outras partes interessadas podem tomar para reformular as atitudes sociais e políticas públicas em torno da saúde mental.”

A pensar… a agir… de forma urgente!

Cumprimentos para todos

DG 2014

 

Etiquetas: ,

 
%d bloggers like this: