RSS

Arquivo da Categoria: Sociedade

Frases para quem

Mais uma excelente iniciativa que divulgo: #Frases para quem

Um em cada cinco portugueses sofre de uma doença mental.

Em conjunto com alguns dos maiores artistas nacionais, vamos dar-lhes voz, através de obras de arte únicas, criadas a partir de testemunhos reais. As obras serão leiloadas e o lucro revertido para uma associação que quer continuar a ouvir aqueles que, de outra forma, sofreriam em silêncio.

Conheça as frases que começaram tudo.

PhotoHandler.ashx.png

 

Etiquetas: , ,

O mito do “Multitasking”

Vivemos dias agitados… mais do que nunca somos inundados por informação, pseudo-informação, fatos e mitos… publicidade. Mais do que em algum tempo na história do Homem, se pretende que jovens e adultos (e mesmo crianças e idosos!), acompanhem o “ritmo das coisas”. Um ritmo impossível, uma velocidade de informação, de processamento, para o qual o nosso cérebro não está preparado para acompanhar.

multitasking.jpg

Hoje em dia temos telefones que mais parecem canivetes suíços, com uma aplicação para dormir, outra para controlar o movimento, uma calculadora, o email, o browser da internet, as redes sociais, as contas bancárias, etc. etc… Um símbolo daquilo que se quer para as pessoas nesta sociedade: que se adaptem, que façam tudo, simultaneamente, sem erros e rápido… Temos nas palmas das nossas mãos computadores que são mais rápidos que aqueles que existiam na sede de grandes empresas na área da informática há 3 décadas atrás. Há alguns anos tínhamos agentes de viagem que nos marcavam viagens, vendedores em lojas de pequeno comércio que nos ajudavam a escolher produtos, funcionários dos bancos que geriam as nossas contas… Hoje é esperado que cada um faça tudo, que aprenda tudo, que saiba tudo… Até em certos restaurantes de fast food já é possível termos uma refeição sem falar com absolutamente ninguém: os sistemas “smart-whatever”. E, para além de se exigir que tudo se saiba, que tudo se faça só, parece que é alguma espécie de deficiência fazer uma coisa de cada vez.

Ir de um lado para o outro deverá ser preenchido por ver os emails, consultar as redes sociais, fechar um negócio. O jantar em família aproveitado para ver as últimas noticias. Para o “verdadeiro profissional” é absoluta a necessidade de no fim de semana, nas férias, na doença, estar sempre “contactável”… e idealmente deverá estar na praia ou na audição musical dos seus filhos a enviar emails para clientes importantes.

Mas será isto minimamente eficaz, produtivo, inteligente ou mesmo… “smart”?

Vários estudos na área das neurociências, demonstram de várias formas, que o nosso cérebro não se adapta a este esquema… Ainda bem, não somos computadores! Na realidade o nosso cérebro nunca faz multitasking… apenas fracciona a capacidade de atenção e vai mudando o foco rapidamente de uma tarefa para a outra. E quando queremos levar isto ao exagero, basicamente levamos o cérebro à exaustão… perdemos capacidade, produtividade (essa palavra tão importante do séc. XXI).

É verdade que o nosso cérebro se adapta ao ambiente, que talvez no futuro seja uma realidade que o ser humano consiga fazer “multi-tarefas”, mas este tipo de evolução leva milhares de anos, um ritmo que não se compara a qualquer das evoluções e exigências dos dias de hoje.

Em suma, uma boa forma de prevenir a exaustão, a ansiedade e o stress, é não exigir do nosso corpo (que para os mais distraídos, inclui o cérebro) mais do que aquilo para que está preparado… é que nos computadores podemos mudar o processador, conseguimos por memórias RAM nos tablets… mas connosco – seres humanos – isso não é bem assim. A nossa capacidade de atenção não funciona simultaneamente e de forma dispersa; até mesmo o gozo de completar uma tarefa não acontece da mesma maneira quando se tenta “fazer tudo ao mesmo tempo”.

Uma sugestão de leitura (não sei se há edição portuguesa de Portugal): A mente organizada – Daniel Levitin .

Um abraço e bom Fim de Semana, a aproveitar as coisas, uma de cada vez…

DG 2016

 

 

Etiquetas: , ,

Livro: Silêncio por Susan Cain

Susan CainJá há muito tempo que estou para recomendar este livro, “Silêncio: o poder dos introvertidos num mundo que não para de falar”; da autora norte americana Susan Cain. Trata-se de uma obra de fácil leitura, em que são focados os aspetos da introversão vs extroversão e em que se faz uma desconstrução do “ideal extrovertido”… Existem mesmo pessoas que são mais introvertidas (e isto tem as suas vantagens e desvantagens) e outras que são mais extrovertidas (e isto também tem as suas vantagens e desvantagens).

Muitas vezes, na prática clinica deparamos-nos com introvertidos que sentem que há algo de errado com eles, porque todos falam mais que eles, porque todos gostam de festas, porque estar em multidões é que é bom… E isso é muito a mensagem que é transmitida pelos media… mas que não podia ser mais incorreta. Ser introvertido não é problema nenhum! Ser introvertido não é sofrer de fobia social ou estar deprimido; também como muitos vezes é sugerido por familiares preocupados… “Dr. ele gosta de ficar no quarto a ler, enquanto os amigos gostam é de estar em festas”… O livro da Susan Cain relata tudo isto muito bem e é uma leitura que recomendo para todos os que queiram compreender melhor este mundo dos introvertidos.

Fica aqui a sinopse:

Pelo menos um terço das pessoas que conhecemos é introvertido. Estas pessoas são as que preferem ouvir a falar, ler a socializar; que inovam e criam, mas não gostam de se autopromover; que privilegiam o trabalho solitário às sessões de brainstorming coletivo. Embora seja habitual rotulá-los de «silenciosos», é aos introvertidos que devemos muitos dos grandes contributos para a sociedade – dos girassóis de Van Gogh à invenção do computador pessoal. Esta investigação notável e recheada de histórias pessoais inesquecíveis demonstra até que ponto se subestima a introversão, e como essa atitude conduz ao menosprezo de enormes talentos. Susan Cain documenta a ascensão do «Ideal do Extrovertido» no século xx e explica o alcance deste fenómeno. Questiona os valores dominantes da cultura empresarial americana, onde o hábito do trabalho em equipa pode matar a criatividade, e onde o potencial de liderança dos introvertidos costuma ser desperdiçado. E recorreu aos dados da investigação mais recente em psicologia e neurociência para revelar as diferenças surpreendentes entre extrovertidos e introvertidos. Para que não restem dúvidas, conta-nos a história de introvertidos célebres como Lewis Carroll, Gandhi, Albert Einstein, Eleanor Roosevelt e Al Gore. Este livro extraordinário mudará em definitivo a maneira como vemos os introvertidos e, não menos importante, a forma como os introvertidos se veem a si próprios.

Um abraço e boas leituras.

DG 2015

 

Etiquetas:

Sobre as intervenções nos comportamentos autolesivos

Acabei de chegar a Coimbra, depois de um longo dia de consultas e de uma semana de grande intensidade. Estou cansado, mas vai valer a pena pois amanhã vou estar no Fórum “Semana Psiquiátrica do CHUC: As Boas Práticas em Saúde Mental”, promovido pelo Serviço de Psiquiatria do Centro hospitalar e universitário de Coimbra, logo pela manhã para debater uma área que me é muito querida e na qual tenho desenvolvido a minha investigação: os comportamentos autolesivos. Estarei na Mesa Redonda “Comportamentos Autolesivos e Suicídio” e o título da minha comunicação é “Estratégias de intervenção em Comportamentos Autolesivos: um foco na adolescência

Vou voltar a frisar a importância do tema, da elevada prevalência de jovens que se magoam de propósito, que estão em sofrimento, muitas vezes sozinhos, recorrendo a cortes, a sobredosagens ou a outros métodos para tentar aliviar alguma da dor que sentem. A autolesão na adolescência é um forte preditor de suicídio consumado, está associada a diminuição da esperança de vida, a estilos de vida menos saudáveis, a menor capacidade de resolução de problemas, a dificuldades na gestão do stress e a doenças psiquiátricas como a ansiedade e a depressão.

self-harm

É fundamental ajudar estes jovens… agora a grande questão é como? O ideal seria prevenir, modificar fatores que predisponham o indivíduo para a autolesão, como por exemplo:

  • Melhorar a capacidade dos jovens em pedir ajuda
  • Reduzir os preconceitos associados às questões da saúde/ doença mental
  • Treinar o uso de estratégias de coping eficazes
  • Reforçar a autoestima
  • Promover a boa saúde mental na escola, em casa… na sociedade em geral

Um bom exemplo do que está a ser feito, neste aspecto, em Portugal é o projeto mais contigo.

Outra coisa importante seria identificar casos em risco, ou já com comportamentos autolesivos através dos programas de “porteiros sociais” ou gatekeepers, de modo a que se possa intervir precocemente, numa altura em que as coisas podem ser mais fáceis de gerir e se possa impedir o começo destes comportamentos ou o seu agravamento. Isto consegue-se a partir da formação de determinados elementos que entram em contato com os jovens, tais como: Técnicos de saúde (médicos de família ou dos serviços de urgência, enfermeiros, psicólogos, técnicos do serviço social, etc.); Professores ou auxiliares escolares; Farmacêuticos, sacerdotes ou mesmo certos pais. Este porteiros sociais, estariam treinados para:

  • o reconhecimento de sinais de risco
  • questionar de forma adequada o jovem
  • ter competências para persuadir o jovem a pedir ajuda, tal como para o referenciar adequadamente
  • seriam também uma primeira linha para lidar com situações de crise suicidária ou autolesiva

Isto está previsto no Plano Nacional de Prevenção do Suicídio (PNPS) 2013-2017, mas a sua implementação tarda…

Por fim, quando a prevenção falhou e temos de intervir em jovens que já apresentam comportamentos autolesivos, entramos numa área nebulosa… Várias estratégias podem ser tomadas, muitas carecem de estudos que suportem a sua eficácia (apesar de parecerem muito lógicas ou de terem um elevado racional). Tendo em conta a heterogeneidade existente nos adolescentes com autolesão, torna-se pouco provável que uma abordagem única seja eficaz para todos os casos e mais uma vez é importante flexibilidade e bom senso. É muito provável que estratégias que envolvam vários intervenientes (como por exemplo: a família, os pares ou a escola) e que tenham uma abordagem integradora, apresentem efeitos mais sustentados do que aquelas demasiado estruturadas para se adaptarem às especificidades dos jovens com comportamentos autolesivos. Os medicamentos aqui têm um papel limitado, embora possam ser de vital importância para tratar doenças associadas como a depressão ou determinadas perturbações de ansiedade. Tudo aponta para que as intervenções psicossociais sejam as mais eficazes para prevenir o agravamento ou mesmo para interromper o ciclo da autolesão, algumas das mais estudadas (mas ainda muito pouco infelizmente) e que se revelam promissoras são:

  • Terapia de resolução de problemas e intervenção em crise
  • Terapia cognitivo-comportamental
  • Terapia familiar
  • Terapia comportamental dialética
  • Terapia de mentalização – mindfulness

No entanto uma metanálise recente de 2015, “Therapeutic Interventions for Suicide Attempts and Self-Harm in Adolescents: Systematic Review and Meta-Analysis, Clinical Guidance”, por Dennis Ougrin e colaboradores, revela resultados “agridoces”. Os efeitos destas intervenções ainda são sub-óptimos. Uma medida importante em medicina – NNT – number needed to treat – revela que em 14 intervenções só uma é eficaz na prevenção de comportamentos autolesivos futuros. Claro que isto é baseado ainda em poucos estudos e inclui apenas intervenções altamente estruturadas, que não consideram a individualidade do caso… Mesmo assim não é mau de todo, por exemplo o NNT das estatinas (terapêutica comum para baixar níveis de colesterol) de forma a prevenir um episódio de enfarte agudo do miocárdio é de 20…

Na minha experiência clinica, nada é mais importante do que ouvir – os jovens, a família – ajudar a procurar soluções alternativas à autolesão, dizer que não precisam de sentir vergonha, embaraço ou nojo… trabalhar em conjunto com psicoterapeutas, assistentes sociais, professores, família, amigos, etc. Tratar a depressão se existir. Insistir em estratégias saudáveis de coping – desporto, hobbies, falar abertamente dos problemas, pedir ajuda quando necessário… Perceber a dor, a raiva, a zanga… E o que eu vejo é que isto resulta, não é fácil, mas é possível.

Um abraço e até breve.

DG 2015

not easy but worth it

 

 

 

Etiquetas: , ,

De volta… e algumas coisas que aprendi.

Caros leitores do blogue,

Voltei de férias, já há alguns dias, mas isto de tirar 3 semanas de férias tem a sua contrapartida. O regresso está a ser uma loucura (até mesmo pelo padrão de psi)! Entre consultas e formações, pendentes e telefonemas, relatórios e situações urgentes… ainda não consegui voltar “à normalidade”. Mas espero que o consiga em breve e que assim possa voltar à carga no blog…

O regresso a Lisboa foi curto, pois de seguida parti para um congresso importante na área da Psiquiatria, o Congresso Europeu de Neuropsicofarmacologia. Assisti a sessões impressionantes, que mostraram o muito que se tem avançado no conhecimento das doenças psiquiátricas, dos sintomas psicopatológicos e do seu tratamento.

NeuroBrainOs avanços na área da neurociência são fascinantes e o cérebro é, de facto, de uma complexidade sem paralelo. Vou partilhar com vocês dois dos tópicos que me impressionaram mais.

O primeiro relaciona-se com os correlatos neurais da adversidade precoce. No fundo, algo que nenhum “psiquiatra moderno” quer admitir, parece que o Freud lá tinha alguma razão na sua teoria… experiências traumáticas precoces (adversidades como falta de afeto, pobreza, elevado stress familiar) levam a uma reconfiguração permanente do cérebro, com alteração da expressão genética, que se mantém ao longo da vida e que perante futuros fatores de stress (por ex: desemprego, desilusão amorosa, consumo de substâncias) pode levar ao aparecimento de problemas de saúde mental. E isto é algo que se vê com técnicas muito avançadas de neuroimagem! Uma das coisas que Tallie Baram e os seus colegas da universidade da Califórnia descobriram é que os principais fatores que levam a esta vulnerabilidade acrescida são os comportamentos dos cuidadores imprevisíveis e fragmentados. Portanto para proteger o cérebro das nossas crianças é mesmo necessário que hajam rotinas e que haja tempo dos pais (cuidadores) para estar emocionalmente com os filhos. Só assim se pode evitar a imprevisibilidade e a fragmentação que podem levar a consequências severas no futuro. Para quem tiver mais interesse neste tópico recomendo este artigo científico.

O segundo relaciona-se com as evidências cada vez mais contundentes que a depressão não é apenas uma doença relacionada com disfunção dos neurotransmissores (por exemplo: a serotonina), mas que tudo aponta para que tenha um elevado componente inflamatório. Sim, esse mesmo mecanismo responsável pelos nossos sintomas quando estamos constipados ou que leva ao combate de uma infecção na pele, quando ocorre de forma desregulada pode ser responsável (através de vários mecanismos altamente complexos) por lesões de células neuronais em áreas chave. Verificou-se que as pessoas com mais resistência ao tratamento antidepressivo têm maiores níveis de marcadores inflamatórios... e isto poderá trazer uma abordagem totalmente diferente e inovadora do tratamento das depressões resistentes. Para além de explicar algo que se vê muito na prática clinica, que é a associação entre depressão e várias doenças autoimunes, assim como ajudar a explicar porque razão existem tantos sintomas “físicos” para algo que se passa no cérebro. Para quiser aprofundar recomendo este artigo.

Até à próxima!
DG 2015

 

Etiquetas: , , ,

Parar não é fácil, mas todos devíamos tentar de vez em quando

multitasking31Vivemos dias de pressa, acelerados… dizem-nos que temos de ser eficientes, produtivos, que o ideal é a capacidade de multitasking, que não há tempo a perder… Que o ócio é quase um pecado, que mesmo nos momentos de lazer temos de estar sempre “a fazer” alguma coisa. A tudo temos de estar atentos, às notícias mais recentes, às tendências da moda, ao email, ao que se passa no facebook, no linkedin, nos blogues, ao que se passa no emprego… As refeições passaram a ser um tempo aproveitado para olhar para o smartphone, entre garfadas a responder a emails ou a comentar nas redes sociais. Os nossos filhos correm de actividade em actividade, há “que estimular”, o tempo não chega para tudo e por isso retiramos horas do nosso sono.

Esta é a tendência da nossa sociedade e, claro está, cada vez mais temos pessoas em stress, com problemas de ansiedade, com problemas de sono, com problemas de abuso de substâncias (para tentar forçar o corpo a aguentar este ritmo) e em casos mais extremos burnout, depressão ou mesmo, suicídio.

É um facto que o nosso corpo está muito bem preparado para lidar com ameaças a curto prazo (stress agudo), aliás faz todo o sentido que perante uma ameaça os nossos sentidos estejam todos em alerta, que a respiração e o ritmo cardíaco acelerem, que o cérebro ative o seu sistema de resposta instintiva e automática, que se desligue a função cerebral superior de reflexão… só assim paramos automaticamente numa passadeira quando nos aparece do nada um condutor desenfreado (modo “freeze”), ou quando estamos numa situação que se poderá tornar violenta (como por exemplo um assalto, em que entramos no modo “luta ou fuga”).

No entanto o nosso cérebro não distingue bem as ameaças: um assalto, um animal selvagem a correr para nós, têm exactamente o mesmo efeito que “um prazo”, um horário de 10 horas por dia, o imaginar como encaixar as mil e uma atividades dos filhos na nossa agenda totalmente preenchida. Portanto, nesta sociedade acelerada e hiperestimulada, o nosso cérebro recebe constantemente sinais de perigo, está sempre em modo de alarme… E isto não é bom para a saúde! Neste post anterior poderão ver alguns dos efeitos do stress crónico no nosso corpo e mente.

Não será então de espantar que mudanças de estilo de vida ou práticas que forcem o “abrandar de ritmo” tenham efeitos tão benéficos para a nossa saúde (mental e física). A título de exemplo, temos o caso da terapia mindfulness (atenção plena), em que temos estudos em revistas médicas de elevado prestígio, que indicam o seu efeito benéfico na prevenção da depressão (ver artigo aqui). A base desta terapia é simples, mas difícil de por em prática, é proposto passar o nosso funcionamento do modo “fazer” para um modo “sentir”… sendo isto realizado através de práticas de meditação. Basicamente pede-se uma pausa, focando no aqui e no agora, nas sensações do momento presente. Experimentem, vão ver que não é fácil, que o nosso cérebro está tão habituado ao reboliço e a estar sempre em actividade, que a coisa mais “simples” do mundo – viver o presente- nos escapa por entre os dedos.

Não é fácil parar, mas pela nossa saúde mental, é mesmo preciso tentar de vez em quando.  Relembrando a máxima: “A paz vem de dentro de si mesmo. Não a procure à sua volta.”

Um abraço em “modo Zen”.

DG 2015

 

Etiquetas: , ,

Imagem

O que NÃO dizer a alguém com doença mental

doenças mentais o que não dizer

 

Etiquetas: , ,

Há semanas assim…

angry_birds_psychiatrist_caEsta última semana foi particularmente gratificante para mim em termos de prática clínica. Foi daquelas em que parecia que tudo corria bem, em que as soluções superavam as complicações. A maioria dos pacientes que consultei estavam óptimos, uma grande parte já em fases avançadas do processo terapêutico, muitos em fase de redução dos medicamentos, alguns a perspetivar a alta e vários que deram a volta a enormes problemas que enfrentavam.

Acompanhar as pessoas ao longo do tempo, ver a sua evolução, observar como lidam com as adversidades, como optimizam as suas potencialidades… é de facto algo único no meu trabalho. Sentir que a minha intervenção os ajudou, que quer as “conversas” (ou o trabalho psicoterapêutico) quer os medicamentos permitiram e contribuíram para estes resultados, é algo de extremamente gratificante e motivador… Penso que seja assim com a maioria dos médicos, que a sensação de fazer a diferença na vida da pessoa seja algo de extraordinário e, sem dúvida, o maior privilégio desta profissão.

Em conversa com um doente abordámos esta questão, é interessante ver que a relação entre o médico e o doente é algo de bidirecional, que tanto como nós médicos influenciamos de alguma maneira a vida do paciente, também este nos influencia. Como uma semana destas, por exemplo, dá energia e motiva para fazer “o meu melhor”, para me esforçar cada vez mais, para me atualizar e para aguentar aquelas semanas “menos boas”, em que parece que tudo corre mal e em que surge aquela eterna dúvida: “mas o que é que eu ando aqui a fazer?”. E isto para não falar das questões de aprendizagem, de uma forma mais clássica a questão da experiência (quanto mais doentes e situações clínicas diferentes observar, mais facilidade existe nos vários níveis de diagnóstico e intervenção) mas, de uma forma mais subjetiva, posso dizer que me farto de aprender com os meus pacientes.

E por isso não posso deixar de me sentir agradecido por este privilégio, que é o contacto humano com todas estas pessoas que já segui, que sigo atualmente e que no futuro irão partilhar comigo uma parte do seu caminho.

Por outro lado, muito me preocupam as notícias atuais. Ouço falar de limites de tempo de 10 minutos em consultas, de mortes nos serviços de urgência pois não há pessoal de saúde suficiente, da emigração de centenas de colegas meus, de situações de agressão nos centros de saúde. Como é possível esta desumanização do ato médico? Como se espera que nestes contextos se crie esta relação bidirecional que, a meu ver, é o essencial para que se consiga bons resultados (tanto para os pacientes como para os médicos)? Bom mas não me quero estender demasiado nestes assuntos mais negros… Tenho esperança que as coisas melhorem, que haja juízo e bom senso por parte “de quem manda nisto” e que tantos os doentes como os médicos se juntem na defesa de cuidados médicos humanizados (ao contrário de baseados exclusivamente em números).

Deste estado de boa disposição, partilho com vocês uma música que me deixa sempre bem disposto.

A todos um bem aja.

Abraços

DG 2015

 

Etiquetas: , ,

Je suis Charlie

Je_suis_Charlie_2-770d0e1d418f307d

Como compreender o incompreensível? Como estamos tão evoluídos em determinadas áreas e tão selvagens noutras?

Como é possível entrar num jornal satírico (cujas armas são o humor, a ironia… os lápis) e disparar a matar em 12 pessoas?? E a ferir outras 20 pessoas? (ver notícia aqui). Quem são estas “não pessoas”? Que objetivos senão a pura expressão de maldade? Quem quer calar a liberdade de expressão?

Hoje é um dia triste… Nada justifica matar outro ser humano, nunca.

Nojento, horrível, desumano…

DG 2014

 
 

Etiquetas: ,

Comportamentos autolesivos em adolescentes

autolesãoJá está Disponível no site da Sociedade Portuguesa de Suicidologia o relatório da investigação que desenvolvi sobre Comportamentos Autolesivos em Adolescentes.

Acabei de voltar das Jornadas sobre Comportamentos Suicidários no Luso, onde mais uma vez apresentei o tema, tendo havido um óptimo feedback e preocupação evidente com esta questão. 

Sobram as questões de sempre: então e agora?

Para quando implementar de forma generalizada (com o suporte dos Ministérios da Saúde e da Educação, das Faculdades, das escolas, da sociedade em geral) estratégias de prevenção e intervenção?

Há intervenções em curso, mas todas com escassos recursos e fruto da carolice de algumas pessoas… mas não chega.

Não há investimento melhor do que nos jovens (ou no nosso futuro, na realidade).

DG 2014

 

Etiquetas: , , ,

 
%d bloggers like this: