RSS

Arquivo da Categoria: Psicose

Humores musicais

Adoro esta música de Radiohead, e muito nos fala sobre o sofrimento, a angústia de uma psicose.

A psicose é definida como a incapacidade de distinguir entre a experiência subjectiva e a realidade externa, ou seja, existe uma perda de contacto com a realidade!

Please could you stop the noise,
I’m trying to get some rest
From all the unborn chicken voices in my head
What’s that?
What’s that?

A psicose é um estado incompreensível para quem está “de fora” é, de todo, impossível perceber o modo de pensar de alguém psicótico, tudo é estranho e nada faz sentido.

Os sintomas mais comuns de psicose são os delírios e as alucinações.

  • Delírio – convicção falsa e inabalável, fora do contexto social e cultural do doente, de origem mórbida, não sendo possível modificar através da demonstração do real.
    Ex: Um doente que acredita que os “extraterrestres lhe implantaram um chip no cérebro para o controlar”. Não cede a qualquer argumento dizendo que isso é impossível, chega a fazer uma TAC de Cérebro que não mostra qualquer chip e mesmo assim defende-se dizendo que “a tecnologia extraterrestre é muito avançada e não é possível detectar na TAC”.

    Delírio persecutório ou paranóia – é a forma mais comum de delírio, com ideias delirantes de prejuizo e vivência de que existe uma agressividade contra o doente. O doente sente-se ameaçado, atacado, incomodado, prejudicado, perseguido ou vitima de uma conspiração, envenamento ou tentiva de morte (in Manual de Psicopatologia)

  • Alucinações – Experiências perceptivas (sensações) tomadas por reais na ausência de estímulo externo correspondente. Para o doente é impossível distinguir as alucinações das verdadeiras percepções. Podem ser auditivas (vozes), visuais (pessoas, vultos, imagens), sensitivas (toques, calor), olfactivas (cheiros) e gustativas (sabores).
    Ex: O mesmo doente de cima ouve as “vozes de Marte, que lhe dizem o que deve fazer” e ao mesmo tempo, quando não lhes obedece, sente calor na cabeça, o que interpreta como “o chip a queimar-lhe o cérebro”.

Para além destes sintomas é frequente observar-se

  • Comportamentos estranhos – que podem ser causados pelos delírios (ex: entrar numa loja e vasculhar todos os recantos à procura de microfones), pelas alucinações (ex: as vozes obrigam-no a andar sempre com as mãos na cabeça), ou mesmo pela doença causadora da psicose.
  • Isolamento social – a maioria destes doentes acaba por se isolar, deixa a escola, o emprego, deixa de estar com os amigos.
  • Desconfiança – é possível que desconfiem dos outros, que sintam que eles fazem parte de uma conspiração ou que o querem matar.
  • Alterações de personalidade – muitas das vezes existem alterações marcadas da maneira de ser, por exemplo determinada pessoa muito extrovertida, conversadora e que gostava de sair à noite, pode ficar muito virada para dentro, deixar de socializar, ter medo de falar com os outros.
  • Alterações do humor – tanto depressões, como euforias podem ser vistas associadas a psicose. Outras alterações podem ser a incapacidade de ajustar o humor ou a labilidade emocional.
  • Desorganização – pode ser vista a nível do pensamento ou das acções. Parece fazer “coisas sem sentido” ou pensar de forma não lógica.

O que pode causar uma “Psicose”?

O termo psicose refere-se a um conjunto de sintomas, em que o principal organizador é a perda de contacto com a realidade. Múltiplas doenças e perturbações podem apresentar-se como psicose, na adolescência estas são as mais frequentes:

  • Esquizofrenia: tem habitualmente o seu começo na adolescência tardia e só muito raramente aparece antes da puberdade. É uma doença crónica, que afecta cerca de 0,5% da população, apresenta múltiplos sintomas psicóticos.
  • Depressão: em casos graves de depressão é possível apresentar sintomas psicóticos (ex: ouvir vozes que dizem que a pessoa é um fracasso; ter um delírio em que a pessoa acha que já morreu).
  • Doença bipolar: tanto na depressão, como na fase de mania é possível estar psicótico (ex: um bipolar em fase maníaca pode ter a convicção delirante que é um profeta).
  • Drogas: A causa mais frequente de psicose durante a adolecência é o abuso de drogas. O abuso de drogas como Cannabis (Marijuana), LSD (Ácidos), Metanfetaminas (Speeds, Pastilhas), Ecstasy e Cocaína (crack), pode levar ao aparecimento de um quadro psicótico, por vezes prolongado e que pode evoluir para Esquizofrenia. Fica o exemplo: estudos indicam que o uso de cannabis aumenta o risco de psicose entre 2 a 9 vezes! Muitos utilizadores de cannabis sentem sintomas psicóticos ligeiros após fumarem, por exemplo, notam que na rua as pessoas olham para eles de maneira diferente (delírio de auto-referência).

O que fazer?

Muitas vezes, as pessoas que sofrem de psicose não reconhecem que estão doentes, muitos não irão pedir ajuda pois tem medo de ser rotulados como “malucos”. Se conhece alguém que pensa estar psicótico, deve levar essa pessoa a um profissional de saúde o mais rapidamente possível.

Existem riscos próprios à psicose, por exemplo, o doente pode matar-se porque as vozes lhe disseram para fazer isso ou pode atirar-se de uma janela porque acha que pode voar. Para além disto a psicose está associada a doenças que, se não forem tratadas rapidamente, podem evoluir para formas crónicas e com “degradação cerebral”.

Existem tratamentos eficazes para a psicose, quanto mais cedo melhor!

Um abraço

DG 2015

 

Etiquetas: ,

Imagem

O que NÃO dizer a alguém com doença mental

doenças mentais o que não dizer

 

Etiquetas: , ,

“Loucamente” – uma exposição no pavilhão do conhecimento a não perder

Fui hoje a esta exposição no pavilhão do conhecimento… Gostei, achei muito interessante e bem realizada. Apesar de ter ido com os meus miúdos e destes terem gostado de algumas das actividades, parece-me mais direccionada para o público adolescente e adulto.
Gostei muito da “barbearia”, do “esquizofone”, das simulações em realidade virtual para o tratamento de fobias, dos testemunhos e, especialmente, do “triturador de preocupações” –  toda a gente deveria ter um destes em casa! 🙂

Recomendo: http://www.pavconhecimento.pt/visite-nos/exposicoes/detalhe.asp?id_obj=3076

Abraços

DG 2014

"LOUCAMENTE" é a nova exposição temporária do Pavilhão do Conhecimento

“LOUCAMENTE” é a nova exposição temporária do Pavilhão do Conhecimento

O QUE É

LOUCAMENTE é a nova exposição temporária do Pavilhão do Conhecimento

Foi produzida em consórcio por três centros de ciência: Pavilhão do Conhecimento (Lisboa), Heureka (Helsínquia) e Universcience (Paris)

É a primeira exposição interactiva de um centro de ciência dedicada ao bem-estar da mente e pretende dar início a uma discussão pública sobre a saúde mental e o seu impacto pessoal e social

É uma exposição positiva sobre um tema complexo, que quer substituir o preconceito pelo conhecimento, o estigma pela compreensão e incentivar os visitantes a cuidar do seu bem-estar mental

Pode ser visitada até Setembro de 2015

O QUE O VISITANTE PODE FAZER

Experienciar num ambiente seguro como se sentem as pessoas com determinadas perturbações mentais

Simular a sensação de ouvir vozes vindas de todos os lados

Entrar na sala das fobias e na barbearia das psicoses

Pôr à prova a sua percepção corporal no espelho da auto-estima

Desfazer-se dos seus problemas no triturador de preocupações

Cometer loucuras saudáveis, como dançar ao som de uma música inspirada pela loucura

Descobrir como os especialistas em cada época trataram a depressão e a esquizofrenia

Testar o seu conhecimento sobre as doenças e o bem-estar mental

Conhecer as perturbações mentais e os seus tratamentos

Ouvir testemunhos de pacientes portugueses sobre as suas doenças mentais e a forma como lidam com elas

Testar a memória e a forma como percepciona as emoções

Enfrentar uma floresta repleta de situações assustadoras

Representar em frente a um espelho a emoção indicada pela máscara, usando o corpo

Expressar e desenhar os seus sentimentos com água

 

Etiquetas: , ,

10 mitos sobre saúde mental

mito-ou-verdadeA saúde mental continua a ser uma área envolta em mitos, preconceitos, estigma e ideias erradas. É inegável que muito se tem evoluído nesta área, mas muito existe ainda a fazer, para que as pessoas que sofrem de qualquer problema de saúde mental tenham os cuidados adequados, para que não tenham receios em pedir ajuda e para que não se sintam (ou sejam) descriminadas.

Só esclarecendo sobre estes mitos é possível ajudar a reduzir os mal-entendidos sobre as perturbações mentais, algo tão prevalente na nossa sociedade… E para isso todos podemos contribuir.

Sinta-se livre para partilhar esta página, com um amigo, com um membro da família, ou mesmo com um profissional de saúde ou de saúde mental. Aqui ficam 10 dos principais mitos (ideias erradas) relacionados com a saúde mental:  

1. Os problemas de saúde mental são incomuns.

Na verdade, quase 1 em cada 5 portugueses terão um problema de saúde mental diagnosticável ao longo da sua vida, de acordo com os dados da Direção Geral de Saúde publicados no relatório “Portugal, Saúde Mental em números – 2013” (o documento pode ser descarregado aqui: DGS Saude Mental em Numeros Portugal 2013).

2. Os problemas de saúde mental são causados ​​pela pessoa que deles padece.

Se por um lado é verdade que as pessoas precisam de assumir a responsabilidade pelos seus próprios pensamentos, sentimentos e comportamentos associados às perturbações, eles não são os culpados por eles. Há uma diferença importante entre assumir a responsabilidade e aceitar a culpa, mas, infelizmente, muitas pessoas confundem essas duas coisas.

3. Os problemas de saúde mental são de natureza puramente biológica ou genética.

Apesar de investigações recentes demonstrarem um papel importante da biologia ou da genética numa grande parte dos problemas de saúde mental, estes são presentemente conceptualizados como o resultado final de múltiplos fatores: biológicos; genéticos; sociais; psicológicos; ambientais; etc. A doença mental é complexa e exige uma ampla visão para a sua compreensão, mas também na intervenção.

4. Os problemas de saúde mental são muitas vezes para toda a vida e difíceis de tratar.

Esta questão coloca-se muito frequente quando se medica pela primeira vez um paciente, com uma doença recém-diagnosticada, como depressão ou ansiedade. Na verdade, a maioria dos medicamentos (com algumas poucas exceções, como as previstas para a doença bipolar e esquizofrenia, por exemplo) são prescritos para um prazo relativamente curto (menos de um ano), tendo como objectivos o alívio dos sintomas e a prevenção de episódios futuros. Na maior parte dos casos é possível resolver a situação por completo.

5. Uma psicoterapia leva uma eternidade e foca sempre problemas de infância.

Trata-se de um mito e um resquício dos dias em que a única opção era a realização de terapias do tipo psicanálise clássica. Embora por vezes esta técnica seja útil e eficaz, as várias técnicas de psicoterapia modernas podem ser de curta duração e orientadas para o problema. São exemplo as psicoterapias de modelo cognitivo-comportamental, que enfatizam pensamentos irracionais que levam a comportamentos e sentimentos disfuncionais, ou a terapia interpessoal. A maioria das doenças mentais comuns podem ser tratadas numa questão de meses em vez de anos.

6. Eu posso lidar com meus próprios problemas de saúde mental, e se eu não posso, eu sou fraco.

Apesar da primeira parte dessa afirmação não ser tanto um “mito”, porque a realidade é que a maioria das pessoas que têm um problema de saúde mental não procuram tratamento adequado (infelizmente). No entanto a segunda parte (sou fraco) é claramente um preconceito.

Se bem que por vezes o esforço para resolver o problema, através de estratégias de coping (tais como o exercício físico, cuidados com a alimentação, sair com os amigos, esforçar-se mais no trabalho, etc.) possa ajudar a minimizar o problema, por vezes é mesmo necessário recorrer a ajuda de um profissional de saúde mental… e isto não deve ser vergonha nenhuma! Isto não significa que você é fraco – fraco de espírito, de força de vontade, ou o que quer que seja. Isto significa que você percebe e aceita as suas limitações humanas e naturais, e procura cuidados adequados quando as suas capacidades de lidar com o problema não são o suficiente.

Se tivesse partido um pé a sua escolha seria esforçar-se para aguentar, com risco de agravar a fratura e arriscar uma incapacidade permanente, ou ir a um ortopedista para tratar desse problema e voltar a andar como antes? Isto faria de si fraco!? Veja esta imagem.

7. Se eu admitir que tenho problemas, toda a gente vai pensar que eu sou maluco e eu vou ter de ir para um hospital por um tempo muito longo.

“Maluco” é um termo genérico que nada significa neste contexto. Todos somos um pouco “malucos”, pelo menos por vezes (e ainda bem). No entanto, ter uma doença mental não significa que você está “maluco” ou “louco”. Significa apenas que você tem um problema, tal como uma outra qualquer doença médica, que precisa de tratamento. Será que um membro da família ou amigo vai pensar mal de si por ter leucemia? Cancro? Gripe? Então porque deveriam pensar mal de si por ter depressão ou ansiedade? Se o fizerem, são eles que precisam de educação e de ser menos preconceituosos.

A maioria das pessoas que têm uma perturbação mental não precisa de internamento. A hospitalização só é usado em casos extremos, quando o problema o coloca em risco de morte iminente (ou com risco de causar danos a objetos ou outras pessoas) ou para a realização de um tratamento especial que necessita mesmo de ser feito em ambiente hospitalar. Mesmo que seja internado, isso não significa que fique internado semanas ou meses. Tal como em qualquer doença, será avaliado, tratado e terá alta assim que se estiver a sentir melhor.

8. Ter ideias suicidas significa que enlouqueci.

É comum existirem ideias suicidas na depressão ou noutras perturbações do humor. É um sintoma, que apesar de grave e angustiante, é comum, não o fazendo mais ou menos “louco”. Estas ideias suicidas começam a desaparecer assim que começar a receber os cuidados adequados para a sua condição. É por isso que é tão trágico quando as pessoas realmente se suicidam, sem pedir ajuda … acredito que a maioria o faz por estar doente e que se tratado a tempo poderia estar vivo e a sentir-se bem. Veja aqui os 10 grandes mitos (ideias erradas) sobre o suicídio e sobre os comportamentos autolesivos.

9. Os medicamentos psiquiátricos causam dependência e depois de começar é muito difícil parar.

Trata-se de um mito muito frequente, que leva a que muitas pessoas não façam os tratamentos adequados. A verdade é que a maioria dos medicamentos utilizados para tratar as perturbações mentais não causa qualquer dependência. Nem os antidepressivos, nem os estabilizadores do humor, nem os antipsicóticos, apresentam este problema. Por outro lado, medicamentos ansiolíticos comuns (ex: xanax, lorenin, victan, etc.) que as pessoas utilizam muitas vezes sem qualquer seguimento médico (por vezes mesmo sem receitas médicas, sendo fornecidos por amigos ou vizinhos), e muitas vezes sem esta preocupação “que possam causar vício”, podem levar a uma dependência complicada. Não quer dizer que não se possam utilizar e que não sejam úteis, porque o são de facto, mas sempre sob monitorização e acompanhamento adequado.

10 . Os diagnósticos em Psiquiatria são apenas etiquetas para comportamentos normais.

Para quem nunca lidou com alguém com uma doença mental (como amigo, familiar ou mesmo técnico) pode parecer que determinados sintomas psicopatológicos são muito semelhantes a emoções ou comportamentos normais. Por exemplo, como traçar a linha entre a tristeza normal e a patológica, ou quando é que falamos de timidez ou de ansiedade social, ou quando é que a organização se torna uma compulsão? No entanto, tal como a diferença entre um tumor benigno e um cancro, os sintomas na perturbação mental são bem diferentes das emoções ou comportamentos “normais”. Habitualmente, quando determinada emoção ou comportamento se torna debilitante ao ponto do paciente não conseguir funcionar do ponto de vista profissional, social ou familiar, estamos muito provavelmente perante uma doença mental. O diagnóstico (a “etiqueta”) torna-se nestes casos particularmente importante por várias razões: para o próprio paciente saber com o que está a lidar; para os técnicos intervirem da melhor forma e de acordo com o que se sabe do ponto de vista científico para esse diagnóstico; também para a evolução da ciência, pois é necessário que os investigadores falem uma linguagem comum para compararem resultados e discutirem as possíveis linhas de investigação.

Recomendo também a leitura deste post mais antigo sobre os principais medos envolvidos na primeira consulta, algo que chamei de psiquiatrofobia.

Um abraço e lembrem-se que compete a todos lutarmos contra o estigma e o preconceito na saúde mental. DG 2014

PS: Parte deste artigo baseia-se no trabalho de Grohol, J.M. (Feb 1998). Top ten myths about mental health  

 

Etiquetas: ,

Por vezes, quando digo “está tudo bem”…

…gostaria que alguém me olhasse nos olhos e dissesse “não estás sozinho”.

Um alerta da autoria de Soumya Jindal, publicado na página de Facebook da United Nations For Youth, a propósito da campanha Mental Health Matters (das Nações Unidas). Uma imagem que vale mil palavras.. um alerta para a solidão causada pelo estigma que existe a propósito das doenças mentais… um sofrimento isolado, incompreendido.

Não pode continuar a ser esta a realidade!

Soumya Jindal #MentalHealthMatters

Soumya Jindal #MentalHealthMatters

 

Etiquetas: , ,

Por trás da porta amarela… uma história de doença mental

yellow-house-jpgUma paciente minha enviou-me este texto, que não conhecia: “Por trás da porta amarela, há um homem com problemas psicológicos“. Trata-se de um texto, publicado no jornal Público (também no The Washington Post) e escrito por Stephanie McCrummen.

É a história de um homem de meia idade, que sofre (muito provavelmente) de uma psicose, que lentamente destrói a sua vida e o afasta da família. Fala das dificuldades em lidar com este tipo de situação e como, muitas vezes, a sociedade não apresenta respostas adequadas para estes doentes.

Ninguém sabe o que ele está a fazer. Ninguém sabe em que é que pensa, o que come ou como sobrevive. Em dois anos, desde que a sua mulher em pânico levou os dois filhos e o deixou ali sozinho, nunca falou com ninguém mais do que alguns minutos. Não deixou ninguém passar da porta, que fortificou com uma nova fechadura, um bocado de plástico a tapar o vidro e contraplacado por baixo, que pintou de um amarelo quase fluorescente. Tem sempre as cortinas da sala corridas.

O homem da casa — que tem 42 anos, já chegou a ganhar um salário de seis dígitos trabalhando para o Capitol Hill e era um marido e pai dedicado — diz aos pais que não está doente. Tanto quanto sabem, deixou de tomar os medicamentos psiquiátricos que lhe foram receitados depois de ter contado à polícia que Deus falava através do seu filho de três anos. Abandonou o emprego e deixou de pagar as contas. A família não sabe o que fazer.

Aconselho vivamente para todos os interessados neste tema. Aqui fica o link para o texto completo: http://www.publico.pt/sociedade/noticia/por-tras-da-porta-amarela-ha-um-homem-com-problemas-psicologicos-1662325.

DG 2014

 

Etiquetas:

2014: Ano Europeu do Cérebro

O European Brain Council nomeou o ano 2014 como o Ano do Cérebro na Europa.

Esta iniciativa tem o apoio de mais de 200 organizações que representam doentes, comunidades científicas e profissionais de saúde, das várias disciplinas que se focam no estudo do cérebro. Para além de vários comissários europeus, o projeto também recebeu o apoio significativo e entusiasta por parte do Parlamento Europeu e dos Estados-membros da União Europeia.

Com o lançamento do ano do cérebro na Europa em 2014, pretende-se conseguir consciencializar e educar, alcançando um impacto significativo na modificação das percepções e redução dos estigmas.

O cérebro, porquê?

A estrutura mais complexa do universo encontra-se dentro de cada um de nós: o cérebro humano.

Com milhares de milhões de neurónios e uma quantidade incontável de redes de informação, apesar dos enormes progressos das neurociências nas últimas décadas, estamos longe de o compreender totalmente.

Além de fornecer a base de nossa personalidade, pensamentos, sentimentos e outras características humanas, o cérebro é também a origem de muitas doenças crónicas e incapacitantes, como é o caso das demências, com um enorme impacto na sociedade e que coloca uma crescente pressão sobre os sistemas de saúde, sobretudo à medida que as populações se tornam mais envelhecidas.

Aqui fica o link para a iniciativa: www.europeanbraincouncil.org

E um link para uma entrevista com o neurologista Alexandre Castro Caldas, a este propósito: RTP Play

E um documentário, da BBC, sobre a evolução do cérebro humano (em inglês, mas com legendas em português):

Um abraço a todos

Diogo Guerreiro

 

Etiquetas: , , ,

Vídeo

Um exemplo de coragem…

 

Etiquetas: ,

10 de Outubro – Dia Mundial da Saúde Mental

No dia 10 de Outubro comemora-se o Dia Mundial da Saúde Mental. A data, criada pela Federação Mundial para a Saúde Mental, tem como objetivo principal centrar a atenção pública na Saúde Mental global, como uma causa comum a todos os povos, para além de limites nacionais, culturais, políticos ou socioeconómicos.

Várias associações estão a organizar eventos, neste importante dia, como forma de captar a atenção do público para a importância de promover uma Boa Saúde Mental!

A Federação Nacional de Entidades de Reabilitação de Doentes Mentais (www.fnerdm.pt), como forma de assinalar este dia, convida todos a participarem na sua campanha de sensibilização e anti-estigma: “Mude a Sua Atitude Face à Doença Mental”!

Mude a Sua Atitude Face à Doença Mental

Esta campanha tem como objectivos:

  • Criar um símbolo de sensibilização face à Doença Mental;
  • Promover o debate e participação da população em geral em volta do tema da saúde e doença mental;
  • Promover o apoio às pessoas com doença mental assim como às suas famílias e entidades que trabalham nesta área.

simbolo mude a sua atitude

Para se juntar e apoiar a esta causa basta, durante o mês de Outubro, colocarem o símbolo desta campanha nas vossas fotos de perfis nas redes sociais (facebook, skype, messenger, etc.) que poderá ser acompanhada da Frase: “Neste mês de Outubro Apoie a Saúde Mental“.

Fica aqui o símbolo que podem descarregar para utilizar nas redes sociais.

Outra iniciativa que acho merecer destaque é a da DGS – Programa Nacional para a Saúde Mental, que promove uma iniciativa cultural nas áreas artísticas de pintura, fotografia e escultura, procedendo-se à inventariação, registo e divulgação nacional de património produzido por utentes de serviços de saúde mental, públicos e/ou sociais.

Para se garantir a qualidade da iniciativa contou-se com a colaboração de profissionais conceituados nas áreas artísticas referenciadas, sendo os totais de obras sinalizadas pelas instituições envolvidas de 1262 pinturas, 589 peças escultóricas e 328 fotografias! A par do levantamento, fixado num catálogo, far-se-á uma exposição nacional, a inaugurar no Dia Mundial da Saúde Mental (10 de outubro) no Museu Nacional Soares dos Reis (Porto), com o Alto Patrocínio do Secretário de Estado da Cultura, que, de 24 de outubro a 4 de novembro, transitará para o Museu do Oriente, em Lisboa. Ver mais em no site da DGS.

Hidden Pictures

A nível mais global, a Gulbenkian Global Mental Health Platform promove a visualização do filme premiado Hidden Pictures. Ligue-se no dia 10 de Outubro a  http://bit.ly/hidpicsfilm para ver o Hidden Pictures e junte-se ao diálogo global sobre Saúde Mental.

Não é possível haver Saúde sem Saúde Mental!

DG 2013

 

Etiquetas: , ,

Como odeio quando utilizam a palavra esquizofrenia para tudo e mais alguma coisa!

FuriosoA esquizofrenia é uma das mais graves doenças psiquiátricas, que mais sofrimento trás aos doentes e aos seus familiares, cujo o tratamento é difícil e que tanto prejuízo causa a nível pessoal, profissional, familiar e social. Não vou falar muito sobre o que é a esquizofrenia, mas quero apenas referir que é uma doença mental que afecta cerca de 1% da população. Surge geralmente numa idade jovem (final da adolescência início da idade adulta). Tem 3 grupos principais de sintomas:

  • Sintomas positivos: comportamentos e pensamentos que não era suposto existirem, como ideias delirantes, alucinações e desorganização do pensamento.
  • Sintomas negativos: sintomas que determinam uma diminuição da actividade normal, como apatia, anedonia, abulia (basicamente estes três termos implicam diminuição da motivação, vontade e prazer em fazer coisas), embotamento afectivo (incapacidade de modular as emoções) e lentificação do pensamento.
  • Sintomas cognitivos: os mais comuns são a falta de atenção e concentração e o prejuízo da memória. Estas alterações podem ocorrer mesmo antes do primeiro surto da doença (numa fase que chamamos pródromo) e agravar-se ao longo da doença. Estes doentes têm dificuldade em planear e executar tarefas, em tomar decisões e mesmo a nível de linguagem poderão existir dificuldades.

Para mais informações sobre a doença (esquizofrenia) consultar este link.

Infelizmente o termo “esquizofrenia” é provavelmente uma das palavras que pior se utiliza. A palavra significa literalmente “mente dividida”. O Psiquiatra que cunhou este termo, Eugen Bleuler (1911-1950) pretendia que esta palavra descrevesse “a quebra com a realidade causada pela desorganização de várias funções da mente, tal como o pensamento ou os afectos, que nestes doentes não funcionavam correctamente em conjunto”. No entanto muitas pessoas utilizam frases como “sinto-me esquizofrénico” quando têm “mixed feelings” acerca de algo: “gosto desta pessoa, não gosto desta pessoa”; “quero fazer isto ou não quero?”, etc.

Mas mais grave do que isto são pessoas com responsabilidades elevadas utilizarem o termo esquizofrenia por tudo e por nada, tais como jornalistas e políticos, revelando uma enorme falta de respeito pelo sofrimentos destes doentes e familiares, que já são altamente estigmatizados e vítimas de preconceito.

São lamentáveis frases que aparecem na comunicação social e na internet tais como:

A chamada “silly season” atacou mais uma vez o país nesta fase do ano. Para não variar. Embora os sintomas, desta vez, levem à suspeita de uma afetação adicional: a da esquizofrenia. Não houve um só bicho-careta incapaz de comentários epidémicos originários da crise política gerada a partir de uma coligação governamental alvo de amuos, traições e piruetas. – Por Fernando Santos, no JN de 2013-07-08

O líder parlamentar do PS considerou esta quarta-feira que o Governo e o PSD revelam sinais de “esquizofrenia política” – Por Carlos Zorrinho, citado no CM de 2012-10-31

Ministério da Educação sofre de esquizofrenia política – Por  Mário Nogueira, na TVI24 a 2012-07-13

Um país esquizofrénico – Por José Gomes André, titulo de post no blog Delito de Opinião em 2013-02-03.

A meu ver isto revela uma clara falta de respeito pelos doentes, famílias e técnicos de saúde que trabalham com estes doentes! Não haverá palavras melhores? Menos discriminatórias?

Digam que o governo é incompetente, incoerente, ineficaz; gritem que determinada medida é ridícula, não faz sentido ou mesmo… é uma *****!! Mas por favor parem de aumentar o preconceito contra os doentes mentais!! É uma questão de moral.

…Isto é uma daquelas coisas que me deixa furioso (daí a imagem escolhida).

Um abraço furioso a todos (e espero que alguém leia este apelo).

DG 2013

 

Etiquetas: , , , ,

 
%d bloggers like this: